Categoria: Receitas

Receitas de família – doces e salgadas – colocadas em prática e sugestões para preparar em casa pratos de restaurantes.

Não sabe o que cozinhar? Vá à feira (ou faça este ensopado de grão-de-bico e leite de coco)

ensopado de grão de bico com leite de coco

Gosto de deixar a feira dizer o que eu vou comer. Chegar sem ideias e voltar com um ingrediente que vira o ponto de partida para colocar em prática uma receita que eu já tinha visto ou comido em algum lugar — talvez em casa mesmo. Ou ainda pedir dicas ao feirante: como faz? Foi assim que nasceu este ensopado de grão-de-bico.

Ajuda ter perto de casa uma feirinha de orgânicos como a do Parque da Água Branca. Foi lá que me apaixonei por um gengibre com folhas, bonito que só, e lembrei de um ensopado de grão-de-bico com leite de coco que eu tinha cobiçado no The New York Times.  Principalmente depois de ler um especial do jornal sobre alimentação e mudanças climáticas e concluir que quero mesmo diminuir a quantidade de carne na minha dieta (só um dado: a pecuária é responsável por 14.5% da emissão anual de gases do efeito estufa, mais ou menos o mesmo percentual de todos os carros, caminhões, aviões e navios; vale ler o especial). 

Grão-de-bico, eu já tinha em casa, daquele que vem cozido. Tenho uma queda por esse ingrediente. Só o nome já é uma delícia. Tão literal: o grão que tem um bico, ora! 

A receita pedia também cúrcuma (açafrão-da-terra) em pó, mas ali na feira havia açafrão-da-terra fresco, como não aproveitar? Juntei também o caruru, uma PANC (planta alimentícia não convencional) que eu nunca tinha preparado, mas comprei depois de um papo com o produtor — no prato original, pedia-se acelga ou couve.

Mais uma mudança: em vez de leite de coco de latinha, fui de leite de coco caseiro, bem mais gostoso. E fácil de preparar, se você conseguir comprar o coco já sem casca.

No fim, acho que deu um samba. E um prato gostoso para vegetarianos e onívoros.

Receita

Ingredientes

  • 1 xícara de polpa de coco seco em pedaços
  • Azeite
  • 1 cebola
  • 4 dentes de alho
  • 1 pedaço de uns 2 cm de gengibre
  • 500 g de grão-de-bico cozido
  • 1 pedaço de 1 cm de cúrcuma
  • 1 punhado grande de caruru (ou acelga ou couve ou outra verdura da sua preferência)
  • ½ limão
  • Pimenta-vermelha em flocos
  • Pão sírio (para acompanhar)

Modo de preparo

  1. Prepare o leite de coco: coloque a polpa no processador ou no liquidificador e cubra com água. Bata, depois passe por uma peneira ou pano de algodão, deixando o leite escorrer em uma vasilha.
  2. Refogue em bastante azeite a cebola picada, depois o alho picado e o gengibre ralado (você pode descascar o gengibre raspando com uma colher e ralar raspando com as pontas de um garfo).
  3. Acrescente o grão-de-bico, um pouco de cúrcuma fresca ralada, sal e pimenta-do-reino. Refogue alguns minutos, até começar a escurecer e grudar no fundo.
  4. Retire da panela uma xícara de grão-de-bico e reserve.
  5. Acrescente na panela uma xícara de leite de coco e 1 xícara de água.
  6. Cozinhe, misturando de vez em quando e raspando as crostas saborosas grudadas no fundo, até o grão-de-bico ficar bem macio e o ensopado engrossar. Se preciso, acrescente mais líquido para dar tempo para os grãos amolecerem. Aproveite também para esmagá-los com o fundo de uma espátula.
  7. Junte um punhado de caruru ou outra verdura cortada em pedaços e cozinhe um pouco mais.
  8. Acerte o sal e acrescente o suco de 1/2 limão.
  9. Na hora de servir, coloque por cima os grãos-de-bico inteiros que tinham sido reservados.
  10. Espalhe também algumas folhas frescas (caruru mesmo ou alguma erva de sua preferência), flocos de pimenta-vermelha e um fio de azeite.
  11. Sirva com torradinha de pão sírio.

Outras receitas com grão-de-bico:

Para cozinhar mais:

Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Molho de alho e pimentão: versão de receita da chef Julia Child

molho de alho e pimentão - O Caderno de Receitas

Sou a favor de colocar mais molho na vida.

Uma boa opção é este molho de alho e pimentão, uma espécie de maionese turbinada capaz de levantar os ânimos de peixes, batatinhas, legumes, ovos, torradas…

Adaptei a receita do molho rouille que acompanha uma sopa mediterrânea de peixe no livro A Arte Culinária de Julia Child. O passo-a-passo completo da sopa vai entrar em breve aqui no blog e na newsletter, mas o preparo desse molho potente eu já vou adiantando por aqui.

Um fim de semana com bastante molho para você!

Receita

Ingredientes

  • 8 dentes de alho
  • Sal
  • Um punhado de manjericão
  • 3/4 de xícara de miolo de pão fresco picado (baguete ou outro)
  • 3 gemas
  • 1/3 de xícara de pimentão vermelho, sem as sementes nem as partes brancas
  • 3/4 de xícara de azeite
  • Pimenta-do-reino

Modo de preparo

  1. Com um socador, amasse o alho com 1/2 colher de chá de sal.
  2. Junte um punhado de folhas de manjericão e amasse mais.
  3. Adicione o miolo de pão, 3 colheres de sopa de água, as gemas e o pimentão e bata com um mixer de mão (ou passe para um liquidificador para bater).
  4. Incorpore ao molho 3/4 de xícara de azeite, beeeeem devagar, para formar uma espécie de maionese.
  5. Tempere com sal e pimenta-do-reino.

Para cozinhar mais

Por que comemos bacalhau? Uma reflexão e uma receita do restaurante Maní

Arroz de bacalhau do Maní

A necessidade é a mãe de muitas das grandes invenções culinárias. Sem ela, dificilmente existiria um prato como o arroz com bacalhau e pinoli do restaurante Maní. E você ficaria sem a receita que eu vou compartilhar a seguir.

Bacalhau salgado e seco surgiu porque a gente não tinha geladeira e não tinha peixe fresco disponível o tempo todo. Mesmo perto da água — afinal tem dia que o mar está virado, tem dia que o barco quebra, tem dia que é do pescador e tem dia que é da pesca.

Hoje, com refrigeração, supermercado 24 horas, Rappi e tal, já não há necessidade de salgar e secar o bacalhau ao sol como os vikings faziam uns mil anos atrás. Se a gente ainda faz, é por gosto e hábito, duas coisas tão ligadas.

O interessante é que os noruegueses fazem, e muito, mas quase não comem. Foi o que eu descobri em um almoço promovido pelo Conselho Norueguês da Pesca na Casa Manioca, do grupo Maní: eles consomem principalmente bacalhau fresco; o seco e salgado, exportam para outros países, como o Brasil, que é o segundo maior comprador, atrás de Portugal.

Parte dessa bacalhoada toda vai parar em pratos como o arroz de bacalhau que eu provei no almoço. Então vamos à receita do restaurante.

Arroz de bacalhau com pinoli

Ingredientes

  • 1 cebola picada
  • ½ pimentão vermelho picado
  • ½ pimentão verde picado
  • 2 tomates ralados
  • 3 dentes de alho picados
  • 20 ml de azeite de oliva
  • 1 g de páprica doce defumada
  • 200 g de arroz bomba (ou agulhinha)
  • 100 ml de vinho branco seco
  • 1 litro de caldo de frango
  • 1 cabeça de alho assado
  • 25 g de gema
  • 150 g óleo de girassol
  • 10 g de salsinha picada
  • 150 g de lascas de bacalhau (já dessalgado)
  • Azeite de pinoli (pinoli assados e misturados com azeite e salsinha picada)

Modo de preparo

  1. Faça uma emulsão com o alho assado, a gema e o óleo de girassol.
  2. Doure a cebola, os pimentões e o alho em azeite de oliva numa frigideira que possa ir ao forno.
  3. Adicione a páprica, os tomates ralados e, quando o suco estiver evaporado, acrescente o vinho. Reduza até começar a fritar.
  4. Acrescente o arroz, mexa por alguns segundos e adicione o caldo de frango, que deverá cobrir todo arroz.
  5. Deixe cozinhar por 10 minutos. Se secar antes disso, acrescente mais caldo de frango até completar o tempo. Em seguida, leve ao forno em fogo alto por mais seis minutos.
  6. Em outra panela, aqueça as lascas de bacalhau com azeite em banho-maria por quatro minutos.
  7. Retire o arroz do forno, acrescente a emulsão de alho assado, a salsinha picada e mexa bem. Ajuste o sal.
  8. Sirva o prato com o arroz coberto pelas postas de bacalhau.  Finalize com o azeite de pinoli.

Gelatina de manga, amora e limão — com fruta de verdade

gelatina de manga e amora

Meu filho me ajuda a experimentar de novo o gosto do mundo como se fosse a primeira vez. Até o gosto de gelatina, em que eu não via a menor graça desde que deixei de ser criança. Reaprendi a gostar depois de fazer para o Pedro — mas não aquela de sabor artificial e cores berrantes, e sim a preparada com fruta mesmo.

Essa gelatina com fruta de verdade foi tema da minha coluna na revista Crescer. Faz um sucesso danado com as crianças, meu filho e outras.

Você pode variar as frutas mas algumas não vão dar certo, como o abacaxi fresco, que tem uma enzima que atrapalha a gelificação (uma possível solução é aquecer o suco ou comprar uma versão pasteurizada). Muito limão também pode dificultar o processo, mas na proporção que usei funcionou.

Experimentei com limão, amora, manga, suco de uva… Alguns nem adocei, outros ficaram melhor com mel ou açúcar.  Em geral, prefiro não coar, mas a amora, por exemplo, pode ter sementes chatinhas.  Dá para colocar em formas próprias para gelatina e desenformar ou servir direto no recipiente em que ela endureceu — o que evita desmoronamentos… 

Se quiser desenformar, coloque o fundo da forma em uma tigela com um pouco de água morna, sem molhar a gelatina, e espere alguns instantes antes de virar a gelatina sobre o prato em que vai servir. Se não funcionar de primeira, volte à água morna, espere um pouco mais e tente novamente.

Gelatina de manga

Ingredientes

  • 1 manga sem muito fiapo, como a palmer
  • 1 envelope de gelatina sem sabor em pó

Modo de preparo

  1. Bata no liquidificador manga e água (o suficiente para a mistura ficar com 400 ml).
  2. Misture bem a gelatina em 1/4 de xícara de água fria. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre e sem deixar ferver, para que se dissolva completamente.
  3. Misture a água com gelatina ao suco de manga e despeje em formas ou tigelas. Leve à geladeira para firmar.

Gelatina de amora

Ingredientes

  • 150 gramas de amoras
  • 2 colheres de sopa de mel (ou a gosto)
  • 1 envelope de gelatina sem sabor em pó

Modo de preparo

  1. Bata as amoras com mel e água (o suficiente para mistura ficar com 400 ml). Coe passando por uma peneira.
  2. Misture bem a gelatina em ¼ de xícara de água fria. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre e sem deixar ferver, para que se dissolva completamente.
  3. Misture a água com gelatina ao suco de amora e despeje em formas ou tigelas. Leve à geladeira para firmar.

Gelatina de limão

Ingredientes

  • 1 limão
  • 2 colheres sopa de mel (ou a gosto)
  • 1 envelope de gelatina sem sabor em pó

Modo de preparo

  1. Faça 400 ml de suco com o limão, o mel e água.
  2. Misture bem a gelatina em ¼ de xícara de água fria. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre e sem deixar ferver, para que se dissolva completamente.
  3. Misture a água com gelatina ao suco de limão e despeje em formas ou tigelas. Leve à geladeira para firmar.

Para cozinhar mais:

Livro Cozinha de Vó

Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Ameixas assadas e chantilly de cachaça da chef Paola Carosella

Ameixas tostadas com chantilly de cachaça da Paola Carosella

Aprendi a fazer as ameixas assadas da Paola Carosella anos atrás, quando a entrevistei para a coluna que O Caderno de Receitas tinha na revista L’Officiel (hoje mantenho colunas no site da Casa e Jardim e na revista Crescer, confira lá). É uma delícia de receita simples, com gosto de fruta e sem açúcar em excesso. Pode ser feita de última hora, mas “com cariño e boas intenções”, como recomenda a chef.

Gosto de acompanhar as frutas de chantilly de cachaça, que Paola não ensinou, mas provei em seu restaurante La Guapa e resolvi reproduzir em casa. Mas elas também ficam gostosas com chantilly normal, iogurte, sorvete…

Da última vez que fiz, troquei o licor de amêndoas (amaretto) da receita original por licor de avelã (Frangelico). Se quiser uma versão sem álcool, vá de suco de laranja.

Receita

Ingredientes

  • 400 g de ameixas frescas
  • 1 fava de baunilha
  • 3 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 3 colheres de sopa de licor amaretto ou de avelã (ou suco de laranja)

Para o chantilly de cachaça

  • 500 gramas de creme de leite fresco
  • 2 colheres (sopa) de açúcar
  • Cachaça boa
  • Extrato de baunilha

Modo de preparo

  1. Pré-aqueça o forno a 180 graus.
  2. Lave e seque as ameixas.
  3. Corte-as no meio (pode deixar o caroço que não sair facilmente).
  4. Aqueça por 5 minutos uma travessa de louça ou vidro ou ferro dentro do forno.
  5. Abra a fava de baunilha no centro, retire as sementes e coloque-as dentro de uma bacia junto com o açúcar e o licor.
  6. Misture bem e coloque a fava aberta junto.
  7. Acrescente as ameixas e misture com as mãos por um minuto com cariño e boas intenções. Coloque na forma pré-aquecida.
  8. Leve ao forno por 10 minutos.
  9. Retire e coloque num prato bonito as ameixas e tente resgatar a maior parte do suco que soltaram. Regue as ameixas com essa calda.

Para o chantilly de cachaça

  1. Bata o creme até que comece a ganhar consistência.
  2. Sem parar de bater, acrescente aos poucos o açúcar, algumas gotas do extrato de baunilha e cachaça a gosto.
  3. Continue a bater até virar chantilly.

Para cozinhar mais: