Bolo relâmpago (relâmpago para um bolo…)

Bolo relâmpago do caderno de receitas da minha mãe

O caderno de receitas da minha mãe chama esse bolo de “relâmpago”, mas acho o nome um tiquinho de exagero, já que a massa leva uns 40 minutos para assar… Um título mais preciso seria “bolo de nada” ou “bolo simples com cobertura de açúcar e canela”…

Quer saber? Caderno de receitas de mãe também tem suas manchetes sensacionalistas. Quem pensa que título caça-clique surgiu com a invenção do clique na internet está enganado.

Mas vamos relevar. O preparo do bolo, fora a parte de assar, é rapidinho mesmo — até com a ajuda do Pedro, meu assistente mirim, que colaborou colocando os ingredientes na tigela e depois levou um pedaço na lancheira (outro eu comi no lanche da tarde).

Então hoje eu vou chamar esta receita de “bolo de segunda-feira”. Quem quiser que invente outro nome.

Ingredientes

  • 10 colheres de sopa de açúcar (mais um pouco para polvilhar)
  • 10 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 3 ovos
  • 1 xícara de leite
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher de sopa rasa de fermento químico em pó
  • Canela em pó

Modo de preparo

  1. Bata no liquidificador ou na batedeira o açúcar, a farinha, a manteiga (derretida), os ovos, o leite e o sal. Acrescente o fermento e bata mais.
  2. Despeje a massa (que fica bem líquida) em uma travessa untada e enfarinhada.
  3. Polvilhe açúcar e canela na superfície.
  4. Asse em forno pré-aquecido a 200ºC até o bolo ficar levemente dourado e um palito, quando enfiado no meio da massa, sair sem pedacinhos de massa grudados.

Para cozinhar mais:

Compre na nossa lojinha!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Procura-se gente para cuidar da merenda escolar

Estrogonofe de Janaina Rueda na merenda escolar de São Paulo
Estrogonofe de Janaina Rueda na merenda escolar (foto: reprodução do Instagram)

Está faltando mãe no poder. Foi o que me passou primeiro pela cabeça ao ouvir a chef Janaina Rueda descrever como eram as merendas em 2016, quando ela começou a refazer o cardápio das escolas estaduais de São Paulo trocando produtos industrializados por ingredientes frescos.

Eu já sabia que o projeto em que Janaina trabalhava como voluntária tinha sido suspenso de uma hora para outra, ou de um governo para o outro, no fim do ano passado. Tinha lido na Folha de S.Paulo que a chef, responsável pelo treinamento de 1.600 merendeiras em três anos, fora jogada para escanteio ao mesmo tempo em que o cardápio andou para trás. Mas uma coisa é ler, outra coisa é ouvir pessoalmente. Foi um soco no estômago escutá-la falar sobre o caso no Food Female, evento que reuniu em São Paulo mulheres que trabalham com alimentação.

Janaina Rueda - Food Female
Janaina no Food Female, evento que aconteceu na última terça na Unibes Cultural, em São Paulo

“Sabe Whiskas de gato? Muito parecido, são uns pouches que ficam fora da geladeira durante dois anos mais ou menos”, contou ela sobre a carne pré-cozida e embalada a vácuo que costumava ser servida às crianças. “Fora isso tinha feijão enlatado, almôndega enlatada com molho rosé… Falei: não vou trabalhar com esse tipo de produto porque não gostaria que meu filho comesse e não quero que os filhos do outros comam.” (E criou novos pratos com ingredientes in natura, de estrogonofe a peixada, que chegaram a 2 mil escolas.)

Ouvindo Janaina, pensei em como ter filhos é oportunidade imensa de desenvolver empatia (uma oportunidade que nem todos aproveitam). A gente sente na própria carne qualquer dor da cria, talvez por isso fique mais permeável às aflições do mundo. Quem sabe também tenha uma propensão menor a alimentar criancinhas com troços que parecem ração? Daí a ideia: colocar mais um monte de mães no poder (porque de pais com poder o mundo já está cheio).

Mas, analisando melhor, a solução não está na maternidade, não. Porque ali estava eu, na plateia da Unibes Cultural, cercada de mulheres, mães ou não, que se emocionaram com o depoimento de Janaina — uma delas, a secretária de Desenvolvimento Econômico da cidade de São Paulo, Aline Cardoso, se comprometeu a falar com o governo de Doria sobre a suspensão do trabalho da chef (a acompanhar).

Talvez as mulheres em geral tenham uma capacidade maior de empatia (um estudo da Universidade de Cambridge diz que sim; na média, é claro). E, se tem uma coisa de que o mundo precisa, é de políticos capazes de entender as necessidades dos outros, e não só as do seu clubinho. Capazes de calçar o sapato dos outros e perceber onde aperta; ou sentar na cadeirinha do refeitório e experimentar o prato do dia. Por exemplo: como você se sentiria se cogitassem trocar o molho de tomate fresco por molho em pó?

Mas aí, depois do Food Female, eu li mais: além de abandonar os menus da Janaina, o governo serviu nas escolas carne de frigorífico interditado pelo Ministério da Agricultura (depois de uma reportagem revelar isso, três funcionários do governo foram demitidos). Quer saber? Ainda sou a favor de maior presença feminina no poder, mas aqui a questão é mais básica. Ninguém precisa ter filhos ou ser mulher para cuidar da merenda. Basta ser gente, mas gente do tipo que vê números — como 3,7 milhões de alunos da rede estadual — e consegue lembrar que são crianças. Ou seja: gente que enxerga gente.

O que o suquinho doce da infância tem a ver com propaganda de cigarro

Jared eberhardt - Flickr
(Foto: Jared eberhardt / Flickr)

Quem já tentou parar de fumar sabe: se tem uma indústria boa em manter a fidelidade dos clientes, é a indústria do tabaco. E ela usou essa expertise em outro filão, o de bebidas açucaradas para crianças, segundo um artigo de pesquisadores da Universidade da Califórnia que repercutiu no The New York Times.

Na verdade, não é segredo que empresas de tabaco diversificaram seus negócios investindo em produtos infantis — Tang e Kool-Aid (Ki-Suco no Brasil) pertenceram à Philip Morris entre 1985 e 2007; a R.J. Reynolds, do cigarro Camel, vendeu o líquido doce chamado Hawaiian Punch entre 1963 e 1989. A novidade é a análise dos pesquisadores mostrando como métodos similares aos empregados para vender cigarro conquistaram a clientela mirim.

Ontem, em uma apresentação na feira Comida de Herança, no Museu da Imigração, eu falei sobre como muito do que a gente chama de comida de vó é comida que a indústria colocou na nossa casa. Cheguei a perguntar para o público: “sacolé de Tang é comida de vó”? E a resposta era sim, pelo menos na casa da avó Elzira do chef Fellipe Zanuto, do restaurante Hospedaria.

Hoje li a matéria do The New York Times sobre a ligação entre tabaco e suquinho doce e me senti ingênua. Porque, no evento, eu falei de como o marketing fisgou adultos com argumentos como praticidade, segurança, preço, benefícios para a saúde (tudo bem vitaminado!). Mas, no caso das bebidas para crianças, o golpe era mais baixo, na altura das gôndolas ao alcance de mãozinhas infantis.

Para mostrar isso, os pesquisadores da Califórnia vasculharam documentos internos das companhias, disponibilizados como parte de um acordo entre elas e estados americanos que queriam recuperar custos de saúde relacionados ao tabagismo.

“As campanhas de marketing usavam personagens de desenhos animados que apelavam para as aspirações das crianças, uma abordagem também usada para criar fidelidade a marcas de cigarros — por exemplo, o uso do Joe Camel para recrutar jovens para fumar”, descreve o estudo publicado no jornal médico The BMJ. “As empresas de tabaco também promoveram suas bebidas usando estratégias de marketing integrado que foram originalmente projetadas para vender cigarros, cercando as crianças com mensagens consistentes de produtos em casa, na loja, na escola, no estádio e no parque temático.”

Montagem do New York Times
Reprodução de montagem do The New York Times com propagandas de cigarro e bebidas infantis

A Philip Morris, depois de comprar a General Foods e, com ela, a marca Kool-Aid, resolveu reduzir a verba de propaganda voltada para mães e aumentar a voltada para crianças. “Decidimos focar o marketing nas crianças, em que sabemos que nossa força é maior”, declarou um executivo em uma conferência em 1987. Em outro momento, um diretor chama o programa de fidelidade da Kool-Aid, com distribuição de brindes, de “nossa versão do Marlboro Country Store” (o programa de fidelidade da marca de cigarros). Reuniões de sinergia, esse termo tão querido do mundo corporativo, ajudavam na troca de experiências — e bancos de dados — entre as divisões da empresa.

Já na R.J. Reynolds os registros mostram a empresa fazendo testes com donas-de-casa e crianças para avaliação de doçura, sabor e cores. “O ideal… é deixar as pessoas querendo mais”, diz um relatório.

Surpreendente? Não. Coisa do passado? “Essas técnicas continuam a ser usadas apesar do acordo da indústria para não promover dessa forma produtos não-saudáveis”, dizem os pesquisadores. Funcionava? Ô.

Ki-Suco, por exemplo, foi relançado, “de olho nos consumidores saudosos da bebida que fez parte de suas infâncias”, segundo matéria da Pequenas Empresas & Grandes Negócios. (A marca hoje não tem relação com a Philip Morris, assim como Tang não tem.).

Repito o que eu disse no bate-papo ontem. O fio da memória afetiva que, puxado, traz um mundo de experiências anteriores pode estar tanto em uma receita de cozido passada de geração em geração como em uma gelatina fantasia repleta de cubos multicoloridos aromatizados artificialmente. Ou no gelinho de Tang.

Seja qual for o caso, é interessante entender de onde vêm nossos gostos e hábitos alimentares. Não necessariamente para repeti-los.

8 ideias para aproveitar sobras de comida e poupar dinheiro (R$ 1 milhão está bom?)

Você prefere comida no lixo ou dinheiro no banco? Não conheço quem responda comida no lixo, mas, sem querer, é isso que a gente escolhe todos os dias. Segundo uma pesquisa da Embrapa, cada família brasileira joga fora diariamente 353 gramas de comida, ou 128,8 quilos ao ano. No mundo, o desperdício de alimentos chega a 1,6 bilhão de toneladas anuais, ou 1,2 trilhão de dólares, ou um terço de tudo que é produzido. O Instituto Akatu já fez a conta: se uma família que gasta 650 reais por mês com alimentação reduzisse o desperdício pela metade e aplicasse o dinheiro poupado, em 70 anos teria mais de um milhão de reais no banco.

Um milhão a mais. Nos vemos em 70 anos. Enquanto isso, vou falar de algumas ideias simples para aproveitar bem a comida e transformar o jantar de hoje no almoço de amanhã. Mas o principal, acho, é o mais básico: olhar para a geladeira e para os armários e pensar as próximas refeições em cima do que a gente já tem em casa.

1. Panquecas e omeletes podem receber praticamente tudo o que sobra na geladeira.

Panqueca de fermento natural

Na panqueca da foto acima, peguei fermento natural que tinha sobrado do preparo de pão e juntei com o que tinha em casa (ovo, aspargo, tomate, queijo, salsinha, cebola e alho) — veja a receita de panqueca de fermento natural aqui.

Você também pode fazer uma panqueca tradicional (receita aqui) e rechear com o que tiver, talvez com um refogado de frango assado que sobrou de outra refeição (como na foto abaixo)

panqueca de frango

2. Sopas também aceitam a lógica do “tudo que tem”

Sopa de batata e milho - ocadernodereceitas

Como esta sopa de batata e milho, em que peguei um purê de batata já pronto, temperado com açafrão, e juntei cebola e alho refogados, milho fresco, leite e umas folhinhas de manjericão.

3. Faça seu próprio caldo em cubinhos

Vegetais congelados para caldo

Você pode trocar o caldo pronto por caldo caseiro feito com sobras como a base da cenoura, a casca e a ponta cabeluda da cebola, a casca do parmesão, talos de ervas, os ossos do assado… Em vez de jogar fora, vá congelando esses restos para fazer seu caldo de carne, frango ou legumes (é só cozinhar em água até soltarem bem o sabor e depois coar o líquido). Se quiser, congele esse líquido em formas de gelo e faça seus próprios cubinhos de caldo.

4. Sobras de churrasco? Oba, salada de carne com cebola!

Salada de carne (O Caderno de Receitas)

Confira a receita aqui.

5. A carne moída entra em mil e uma aventuras.

Molho de tomate com carne moída

Era uma vez uma carne moída feita para rechear torta (receita aqui). Sobrou, ganhou tomate picado, virou molho de macarrão. Salvou uma noite de domingo, sobrou de novo, vai ficar congelada até ser chamada para novas aventuras.

6. Pão velho é que faz farinha de rosca boa.

Pão de fermentação natural (Foto: O Caderno de Receitas)

Em vez de jogar fora o pão amanhecido, torre e bata no processador para fazer farinha de rosca. Ou corte em rodelas e asse com um fio de azeite para guardar na forma de torradinhas. Ou use em pedaços em uma receita de ovos ao forno.

Agora, se quiser um pão fresquinho de novo, tente umedecer a crosta levemente e levá-lo ao forno. 

7. Salve as bananas.

bolo de banana com amêndoas

Vira-e-mexe uma receita pede banana madura e a gente não encontra no mercado. Então, se você tiver algumas à beira de se perder, aproveite para fazer bolo, torta, vitamina…

Outra opção é congelar a fruta em rodelas e bater para fazer um sorvete cremoso.

Veja aqui algumas ideias para aproveitar bananas.

8. Não jogue fora as folhas de beterraba e cenoura.

Frango ao tandoori com beterraba cozida e arroz

Elas dão boas saladas.

 

Para cozinhar mais:

Compre na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Cozinha de vó, mas que vó?

Molho de tomate e pão do restaurante Hospedaria
Molho para chuchar o pão como na casa da avó do chef Fellipe Zanuto (foto: reprodução)

Sacolé de Tang é cozinha de vó? Ou pão com molho de tomate é que é? Gemada, talvez? Tostex? Sim, sim, sim e sim. Quer dizer, pode ser tudo isso, mas também pode ser nada disso. Porque cozinha de vó é aquela para a qual a bússola da nossa memória afetiva aponta. E é desses sabores que nos norteiam que vou falar no bate-papo “Cozinha de vó, mas que vó?”, com o chef Fellipe Zanuto, neste domingo (17/3), no festival Comida de Herança no Museu da Imigração.

É o que eu digo no livro Cozinha de Vó: o fio que, puxado, traz um mundo de experiências anteriores pode estar tanto em uma receita de cozido passada de geração em geração como em uma gelatina fantasia repleta de cubos multicoloridos aromatizados artificialmente. Isso não quer dizer que você deve repetir seus hábitos alimentares do passado. Mas vale a pena entendê-los.

No livro Regras da Comida, o jornalista americano Michael Pollan aconselha: não coma nada que sua avó não reconheceria como comida. Acho válido. Mas acho que devemos tomar cuidado com o mito da avó saudável.

Muita gente, inclusive nossas doces ou não tão doces avozinhas, caiu de amores pelas modernidades que a indústria alimentícia colocou na mesa a partir de meados do século 20. Caldo em cubinhos, sopa em pó, sobremesas de leite condensado eram soluções práticas para o dia a dia. E, se praticidade é um atributo tentador hoje, pense como era quando a mulheres começavam a entrar no mercado de trabalho e ainda estavam muito longe de dividir com os parceiros as tarefas da casa.

Minhas duas avós cozinhavam a tal “comida de verdade”, uma delas às vezes até com alimentos que produzia no sítio. Mas também ofereciam aos netos, com gosto, quitutes “de fábrica”, como sorvete de fruta em que duvido que houvesse fruta e iogurtes altamente açucarados e alegadamente vitaminados.

E as duas avós eram tão diferentes.

Helena era minha avó bailarina. A avó que saltava nas aulas de dança, suava nas coxias dos espetáculos, dava abraços molhados depois dos aplausos, caía da escada, batia o carro, perdia os óculos. Falava com plantas, cães e gatos, amava e era amada por Seu Coisinha, o cachorro mais feio do mundo. Fazia pimentão recheado, gemada, sucos de beterraba e cenoura, queria que eu ficasse forte — nem que fosse tomando fígado batido com laranja (credo); mais tarde, queria que eu ficasse magra — e ereta, “barriga pra dentro, peito pra fora”. Cuidava da horta e do pomar do sítio, onde passei as férias que toda criança deveria ter. Me levava ao banco, ao cartório, ao mercado de Atibaia onde eu gostava de enfiar as mãos nas sacas de feijão. Foi aluna fundadora e solista da Escola Municipal de Bailados de São Paulo, casou adolescente com outro bailarino, Michel, meu avô francês, com quem eu disputava o camembert. A reedição do programa do Ballet do IV Centenário da Cidade de São Paulo, com fotos do dois, jovens e lindos, é dos objetos que eu mais amo ter. Ele morreu muitos anos antes dela, do coração. Ela seguiu apaixonada pela dança. Fez questão de trabalhar até a doença a imobilizar no hospital. Morreu encolhida, fraca, tão diferente da minha avó bailarina. Prefiro lembrar dela como nesta foto pendurada na parede da sua amada escola de balé:

Helena Weber
Minha avó Helena

Viquinha era minha avó que viajava. Da China à Nigéria, da Inglaterra ao Peru, dos Estados Unidos ao Egito. Trazia do exterior presentes que eu achava incríveis, como uma caneta-suvenir cheia de líquido em que um ônibus londrino “andava” ou um armazém de papel, de montar, que eu queria ter até hoje. Com ela eu comia uvas-passas do lanchinho de bordo do ônibus de São Paulo a Curitiba, tomava chá com rosca, jogava mexe-mexe, tinha que me comportar à mesa (“olha os cotovelos”). Promovia almoços de adulto em que não era permitido sair antes de todos acabarem (e as conversas eram looongas).

Vó Viquinha
Minha avó Viquinha

Da Vó Viquinha vieram os cadernos de receitas que, junto com o caderno minha mãe, foram a base para o meu projeto de resgate de memórias e pratos de família. Um dos cadernos trazia a anotação abaixo, tão cheia de expectativas da jovem recém casada que ela provavelmente era quando a escreveu.

Anotação em caderno de receitas da Vó Viquinha
Caderno da avó Viquinha

E cozinha de vô?

De cozinha de vô, não tenho muito o que falar. Do meu avô Michel, lembro dos queijos e da mancha escura que ele deixou no teto sobre o fogão por causa de um princípio de incêndio. Do avô Armando lembro das histórias à mesa, especialmente uma que levava ao pé da letra a expressão “ficar conversando com a comida”: um sujeito chamado João Gerá comeu bugio na quaresma e passou a ser assombrado pelo bicho dentro do estômago. Educativo.

Na exposição Migrações à Mesa, que reuniu cadernos de receitas de diferentes origens no Museu da Imigração em 2016, os homens também eram lembrados mais pela ausência do que pela presença — fora uma ou outra exceção.

Mas isso está mudando. Pedro, meu filho, experimenta vez ou outra a comida do vô (que mora longe). E imagino que um dia meus netos poderão aproveitar os pratos do meu marido, Marcos (do blog Cozinha Bruta).

Assim como provavelmente vão aproveitar a cozinha do vô os futuros netos do chef Fellipe Zanuto, com quem vou dividir o bate-papo no Museu da Imigração. No restaurante Hospedaria, Fellipe tenta servir uma cozinha autenticamente paulistana: estrogonofe, churrasco com farinha de milho, risoto cremoso de arroz agulhinha, bolo gelado de coco…  

A inspiração do chef vem, em grande parte, da cozinha das suas avós Elzira e Marlene. Para a feira Comida de Herança, ele vai preparar molho de tomate para chuchar o pão (como na casa da avó Marlene) e porco na panela com arroz, feijão e queijo frito na banha (como na casa da avó Elzira). Vai perder?

Arroz, feijão, porco e queijo frito do chef Fellipe Zanuto
Prato do chef Fellipe Zanuto tentando reproduzir a comida da avó Elzira (foto: reprodução)

 

Serviço: feira Comida de Herança

Domingo, 17/3/19

13h – Autógrafos do Cozinha de Vó e conversa com o público sobre histórias e receitas.

14h – Bate-papo com o chef Fellipe Zanuto sobre heranças culinárias e preparos de pratos de família.

Onde: Museu da Imigração (R. Visc. de Parnaíba, 1316,  Mooca, São Paulo – SP. Próximo ao metrô Brás).