Duas tentativas de fazer biscoitos de gengibre

Biscoitos de gengibre - O Caderno de Receitas

Meu filho anda fascinado pela história do Homem Biscoito de Gengibre, um sujeitinho desaforado que foge do forno gritando: “Você não me pega!”. Alguns fins de semana atrás, resolvi preparar para ele (e com ele) o tal biscoito. Foi um daqueles momentos bonitos da maternidade: nós dois juntando ingredientes, cortando a massa com o molde, sentindo o cheiro de especiarias se espalhar pela casa. Pena que o resultado não foi tão bonito. Os biscoitos ficaram gostosos, mas disformes. “Cadê o olho, mamãe?”, perguntava meu pequeno, enquanto eu, com uma faca, tentava fazer cortes que simulassem um rosto.

Ele se convenceu com o improviso (bem mais que eu). Outro dia, pediu novamente os biscoitos. Com o menino fora de casa, parti para mais uma tentativa, com outra receita. Tirei o passo-a-passo do livro Feito com Carinho (assim como da primeira vez), substituí glicose de milho por mel (assim como da primeira vez) e usei só metade dos ingredientes do original (assim como da primeira vez). Agora, deu certo.

Teste número 31
Receita: biscoitos de gengibre.
Fonte: livro Feito com Carinho, da Publifolha.
Resultado (foto abaixo): muito gostoso, quase um caramelo, mas sem formato definido (a massa borbulhou no forno; não sei se me enganei com alguma quantidade ou o quê).
História do Homem Biscoito de Gengibre e receita que deu errado

Teste número 32
Receita: gingerbread.
Fonte: livro Feito com Carinho.
Resultado (foto abaixo): bem gostoso, com formatos divertidos (mas devo dizer que o sabor do biscoito feioso era melhor).
O teste 32, com biscoitos em diferentes formatos: ainda bem que a gente não desiste fácil, né?

Ingredientes
110 gramas (1/2 xícara) de manteiga sem sal, mais um pouco para untar
350 gramas de farinha de trigo (isso para começar; ao amassar, eu adicionei algumas colheradas a mais para dar liga), mais um pouco para polvilhar
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de gengibre em pó
150 gramas (1 xícara) de açúcar mascavo
2 colheres de sopa de mel (o original pedia glicose de milho)
1 ovo batido

Modo de preparo
Misturei a manteiga, a farinha, o bicarbonato e o gengibre até fazer uma farofa.

Adicionei o açúcar, o mel e o ovo e misturei mais. Como a massa estava grudenta demais para moldar, acrescentei mais farinha.

Em uma superfície enfarinhada, estendi a massa com um rolo até deixá-la com uns dois milímetros de espessura. Usei cortadores para dar formato aos biscoitos, depois fiz olhos, botões e boca com um palito (o livro recomendava usar uvas passas em vez de fazer buracos, mas meus biscoitos eram pequenos, ficaria esquisito).

Coloquei os biscoitos em assadeiras untadas, deixando espaço entre eles. Levei ao forno a 190ºC por cerca de 10 minutos, até ficarem dourados (alguns queimaram… Preste mais atenção do que eu!).


Para ler sobre o Homem Biscoito de Gengibre:

Pudim de bacalhau (um bolinho gigante de bacalhau)

Minha contribuição para a Sexta-Feira Santa: pudim de bacalhau com molho de manteiga, limão e salsinha
Minha contribuição para a Sexta-Feira Santa: pudim de bacalhau com molho de manteiga, limão e salsinha

Se você gosta de bolinho de bacalhau, vai se esbaldar com este prato, que parece uma versão tamanho família (e assada) do petisco frito. A sugestão da minha avó Viquinha é servi-lo com molho maître d’hôtel — como o caderno dela não traz o passo a passo do molho, busquei na internet. Ficou uma delícia, ainda mais acompanhado de uma boa salada verde.

Fica aí minha sugestão simples, saborosa e de última hora para a Sexta-Feira Santa.

Teste número 30
Receita:
pudim de bacalhau
Fonte: caderno da avó Viquinha
Resultado: muito bom (um bolão de bacalhau bem feito)

Rendimento
4 porções

Ingredientes
300 gramas de bacalhau (comprei o já dessalgado, congelado)
½ pão francês (ontem eu usei uma fatia de pão tipo brioche, porque era o que tinha em casa)
2 batatas grandes cozidas
Azeite
2 dentes de alho
1 tomate
1 colher de sopa de manteiga derretida
2 ovos (com as claras batidas em neve)
Sal
Pimenta-do-reino moída na hora

Modo de preparo
Descongelei o bacalhau em água com sal (recomendação da embalagem) e o cozinhei só em água por 15 minutos.

Bati no processador o bacalhau e o pão.

Amassei a batata com um garfo.

Refoguei em bastante azeite o alho bem picado, em seguida coloquei os cubinhos de tomate e, depois, o bacalhau e o pão. Tudo rapidinho.

Em uma tigela, misturei o bacalhau, a batata, a manteiga e as duas gemas. Temperei com sal e pimenta-do-reino. Coloquei um pouco mais azeite.

Acrescentei as claras batidas em neve e misturei levemente.

Coloquei a massa em uma tigela untada e levei ao forno quente (220ºC) até começar a dourar.

Para o molho maître d’hôtel:
Derreti 3 colheres de manteiga e, na hora de servir, juntei o suco de meio limão, uma colher de sopa de salsinha picada no processador, sal e pimenta-do-reino moída na hora.

Ovos com brioche e queijo ao forno

Ovo ao forno: uma cara mais sofisticada para o meu amado pão com ovo

Agora sim. Refiz a receita de ovos ao forno da minha avó com adaptações e sem interrupções (no dia anterior, meu filho acordou e chorou quando os ovos estavam no forno).

Em vez de pão amanhecido, me fiz de rainha Maria Antonieta e usei brioche. Caprichei na quantidade de queijo — tanto que, em vez de dois ovos, comi só um, pois não cabia outro na tigelinha. Tasquei manteiga e noz-moscada, apesar de a receita não pedir. E consegui que a gema ficasse bem mole, escorrendo, do jeito que eu gosto. Acompanhado de salada de alface orgânica com macadâmias, foi um ótimo jantar.

Teste número 29
Receita: ovos ao forno
Fonte: caderno da vó Viquinha
Resultado: muito bom (um jeito mais elegante de servir pão com ovo, que adoro)

Ingredientes
1 xícara de brioche rasgado em pedacinhos (o original pedia simplesmente pão, mas resolvi esnobar)
3 colheres de sopa de leite
1 colher de chá de manteiga
Sal
Pimenta-do-reino
Noz-moscada
Queijo (usei o suíço raclette, mas fique à vontade para usar outro)
1 ou 2 ovos

Modo de preparo
Joguei o leite sobre o pão, que ficou bem úmido. Esmigalhei a manteiga por cima. Temperei com uma pitada de sal e pimenta-do-reino e noz-moscada moídas na hora. Misturei tudo com uma colher.

Transferi o pão umedecido para uma tigelinha. Cobri com o queijo em pedaços (mas também podia ser ralado). Por cima de tudo, quebrei um ovo.

Levei a tigela ao forno (180ºC) por 15 a 20 minutos. Na hora de servir, salpiquei uma mistura de sal em flocos e pimentas.

Rendimento
1 porção (se quiser mais, multiplique a quantidade dos ingredientes e distribua-os em tigelas individuais na montagem).

Para cozinhar mais:

Receita de ovos ao forno — dá para melhorar

Para me organizar, a partir de hoje, vou numerar e classificar os testes de receitas que publico aqui.

Começando pelo jantar de ontem, que foi assim: coloquei meu filho para dormir; comecei a fazer ovos ao forno; meu filho acordou; cantei “Nana nenê” até acalmá-lo; voltei à cozinha e os ovos tinham passado do ponto (gosto de gema mole); comi assim mesmo; percebi que teria sido melhor usar pão fresco, e não amanhecido, na base do prato; continuei a comer.

Hoje, pretendo fazer novamente a receita e, se ficar melhor, publicar o passo-a-passo.

Os ovos ao forno passaram do ponto, mas comi mesmo assim, com espinafre e tomatinhos

 

Teste número 28
Receita: ovos ao forno
Fonte: caderno da vó Viquinha
Resultado: fraco (gema dura, gosto de pão amanhecido)

Saudade do coentro

Caldo de peixe com espuma de coentro e socol (embutido feito na serra do Espírito Santo)
Caldo de peixe com espuma de coentro e socol (embutido feito na serra do Espírito Santo)

Uma das boas lembranças da minha adolescência no Espírito Santo é a da moqueca capixaba fumegante que devorávamos depois de passar horas na praia alimentando a fome. Recém-chegada de São Paulo, minha família inicialmente torcia o nariz para a floresta de coentro que cobria as panelas de barro, mas logo se acostumou (até porque não tinha opção) e passou a apreciar a vegetação local.

Hoje, estou de volta a São Paulo. O coentro, que agora adoro, tempera as imagens dos fins de semana quando meus pais e os três filhos se aboletavam no carro para explorar a terra para onde nos transferimos. Parte da minha família continua lá. Para matar a saudade da comida, fui ao lançamento do Menu Capixaba no restaurante Brasil a Gosto, em São Paulo (atualização: o restaurante se transformou no Instituto Brasil a Gosto e abre só para eventos).

Compartilho abaixo duas receitas da chef Ana Luiza Trajano com inspiração na culinária do Espírito Santo. Para matar a saudade dos pais e da irmã (e dos pratos feitos do jeito tradicional, bem mais “coentrados”), já estou com as passagens compradas.

Caldo de peixe com espuma de coentro e crocante de socol

Ingredientes
10 g de alho
10 ml de óleo de urucum
450  ml de caldo de peixe
Sal a gosto
6 g de pimenta dedo-de-moça
20 g de coentro
10 ml de caldo de legumes
20 g de socol (um embutido preparado na serra do Espírito Santo; se não estiver no Espírito Santo e não achar o produto, sugiro usar presunto cru)

Modo de preparo
Em uma panela, doure o alho no óleo de urucum e coloque o caldo de peixe deixando-o reduzir 1/3 e ficar cremoso. Tempere com pouco sal e adicione a pimenta dedo-de-moça. Sirva quente com a espuma de coentro e o crocante de socol.

Para fazer a espuma de coentro, coloque em uma tigela o caldo de legumes frio e o coentro e bata com um mixer até incorporar os dois. Coloque a mistura em um sifão e reserve. No momento de servir, agite o sifão e coloque a espuma por cima do caldo de peixe.

Para o crocante de socol, corte o socol em fatias bem finas, espalhe em uma assadeira e leve ao forno a 160º C por 6 minutos, virando no meio do tempo. Quebre em pedaços bem pequenos e sirva dentro e por cima do caldo de peixe.

Moqueca capixaba

Na versão da chef Ana Luiza Trajano para a moqueca capixaba, o pirão vem na mesma panela que o peixe
Na versão da chef Ana Luiza Trajano, a moqueca leva coentro e cebolinha

Ingredientes
720 g de filé de abadejo
60 ml de azeite
20 g de sal temperado
40 ml de óleo de urucum
20 g de alho batido
1,5 l de caldo de peixe
80 g de cebola cortada em tirinhas
80 g de tomate cortado em tirinhas
30 g de cebolinha verde picada
30 g de coentro picado
2 pimentas dedo-de-moça
2 bananas-da-terra
Sal a gosto

Para o pirão
25 ml de óleo de urucum
15 g de alho
40 g de cebola picada
300 g de aparas de peixe
100 ml de caldo de peixe
60 g de farinha de mandioca
Sal a gosto

Modo de preparo
Tempere o peixe de véspera com o azeite e o sal temperado. Reserve.

Em uma panela, doure o alho em óleo de urucum e adicione o caldo de peixe, deixando-o reduzir 1/3. Em uma panela de barro, faça uma cama com metade da cebola e do tomate, coloque os filés de peixe por cima, cubra com o restante do tomate e da cebola, o coentro e a cebolinha picados. Adicione o caldo de peixe reduzido e deixe em fogo médio até que o peixe cozinhe. Coloque as bananas da terra cortadas em anéis transversais, acerte os temperos e sirva com o pirão de peixe.

Para o pirão, em uma panela média, doure o alho e a cebola no óleo de urucum. Adicione as aparas e o caldo de peixe, mexendo com um fouet para que os pedaços de peixe se quebrem. Quando cozidos, adicione a farinha de mandioca sem parar de mexer até que a farinha cozinhe e o pirão fique uniforme. Acerte o sal e sirva com a moqueca.