Searching for "pão"

Feito em casa, gaspacho com maionese do chef Ferran Adrià

Gaspacho com maionese de Ferran Adrià

O chef espanhol Ferran Adrià ficou conhecido mundialmente pelos pratos inovadores saídos da cozinha/laboratório do restaurante elBulli, na cidade de Roses, na Catalunha. Mas, enquanto os clientes provavam espumas, molhos em forma de esferas e outros experimentos da gastronomia molecular (aplicação da ciência nos processos da cozinha), os funcionários se regalavam com comida mais simples e tradicional, como o gaspacho de que vou falar aqui.

A receita está no livro está no livro A Refeição em Família — o título se refere aos jantares da equipe do restaurante, que fechou em 2011 e deve reabrir este ano como um museu de inovação gastronômica. O livro é cheio de sugestões de pratos possíveis de preparar em casa e dicas que fazem a diferença.

Por exemplo: na versão de Adrià, o gaspacho ganha cremosidade com a adição de maionese. Outro cuidado é aferventar o alho, diminuindo (mas não muito) sua pungência.

Então vamos às instruções do livro, com adaptações. O rendimento é de seis entradas.

Receita

Ingredientes

  • 3 dentes de alho
  • 2 cebolas
  • 1 pepino
  • 1 pimentão vermelho
  • 12 tomates maduros
  • 30 gramas de pão branco sem casca (miolo de 2 fatias do pão italiano que eu tinha em casa)
  • 6 colheres de sopa de azeite
  • 2 colheres de sopa de vinagre de xerez (não achei no mercado, então usei vinagre de vinho tinto)
  • 1 ou 2 colheres de sopa de maionese* (ele dizia 1, eu usei 2)
  • Sal
  • Pimenta-do-reino
  • Croutons**
    *Para fazer, bata um ovo e vá acrescentando um fio de azeite até chegar à textura de maionese
    **Corte um pão em cubos, espalhe em uma assadeira, regue com azeite e leve ao forno por alguns minutos, até dourar.

Modo de preparo

  1. Corte os dentes de alho e remova o fiozinho verde do centro (se houver). Coloque-os em uma panela com água fria e, quando ferver, transfira-os para uma tigela com água gelada. Repita isso duas vezes.
  2. Corte em pedaços grandes as cebolas descascadas, o pepino descascado, o pimentão vermelho (sem sementes ou partes brancas), os tomates e o pão.
  3. Bata todos os ingredientes acrescentando 120 ml de água.
  4. Coe a mistura com uma peneira.
  5. Adicione o azeite, o vinagre, a maionese, sal e pimenta. Misture bem.
  6. Deixe na geladeira por duas horas.
  7. Sirva com croutons e um fio de azeite (a salsinha da foto foi por minha conta).

Para cozinhar mais:

11 receitas com banana

Yes, ainda tenho bananas. Tempos atrás eu publiquei uma lista de receitas com a fruta e agora é hora de atualizá-la. Porque banana é popular, é barata, é versátil, vem embaladinha, é boa demais, é o ingrediente principal da minha torta favorita. Veio do Sudeste Asiática, mas já se fez de casa há uns bons cinco séculos. Como diz o ditado registrado por Câmara Cascudo no livro História da Alimentação no Brasil:

Com banana e farinha
Passo eu e a vizinha…”

1. Canapé de banana com parmesão

canapé de banana e queijo - O Caderno de Receitas

Nada para servir de petisco? Se você tem bananas, está quase lá. É só juntar pão (vale amanhecido) e parmesão e já consegue fazer esses canapés, receitinha da minha mãe.

Ingredientes

  • Banana
  • Pão francês ou baguete
  • Queijo ralado

Modo de preparo

  1. Corte o pão em rodelas e leve ao forno para tostar levemente.
  2. Coloque uma rodela de banana e um pouco do parmesão ralado sobre as fatias de pão tostado.
  3. Leve o canapé montado ao forno até o queijo derreter e a fruta dourar um pouco.

 

2. Bolo de banana

bolo de banana com amêndoas

Adaptei o banana bread do site Simply Recipes e transformei em uma nova receita de família.

Ingredientes

  • 3 bananas bem maduras
  • ⅓ de xícara de manteiga derretida
  • 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
  • 1 pitada de sal
  • ½ xícara de açúcar
  • 1 ovo batido
  • 1 ½ xícara de farinha de trigo
  • 1 colher (chá) de extrato de baunilha
  • 1 punhado de uvas passas ou mirtilos
  • 1 punhado de amêndoas laminadas

Modo de preparo

  1. Amasse as bananas com um garfo e misture-as à manteiga derretida.
  2. Mexendo com uma colher, junte o bicarbonato, o sal, o açúcar, o ovo, a farinha, as uvas passas ou mirtilos e a baunilha.
  3. Despeje a massa em uma forma untada e enfarinhada. Salpique as amêndoas por cima.
  4. Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC.
  5. O bolo estará pronto quando ficar levemente dourado e, quando espetado com um palito de madeira no centro, o palito sair seco, sem massa grudada.

 

3. Banana-passa recheada de doce de leite

Banana passa com doce de leite - receita do livro Cozinha de Vó

Um docinho de festa gostoso e fácil de fazer.

Ingredientes

  • 1 lata de leite condensado
  • Banana-passa (comprei 3 pacotinhos)
  • Açúcar cristal

Modo de preparo

  1. Para fazer o doce de leite, coloque a lata de leite condensado coberta de água em uma panela de pressão.
  2. Quando a  panela pegar pressão, reduza o fogo para o mínimo e deixe cozinhar por 50 minutos.
  3. Desligue o fogo e espere que a panela perca totalmente a pressão antes de abri-la.
  4. Corte as bananas em pedaços de 2 ou 3 centímetros.
  5. Corte cada um dos pedaços no sentido do comprimento, sem ir até o fim, criando uma fenda (como se eu estivesse abrindo um pão para fazer sanduíche).
  6. Com uma colher de chá, recheie as fendas com doce de leite.
  7. Espalhe açúcar cristal em um pires e passe a parte com doce de leite dos “sanduichinhos” por esse açúcar (isso evita que fiquem muito grudentos).
  8. Sirva sobre forminhas de papel.

 

4. Torta de banana e suspiro

Torta de banana com suspiro

Uma receita que passou do caderno da avó Cidinha para o neto João Fladt Queiroz (e que eu reproduzi em casa).

Ingredientes

  • 5 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 ovo
  • 75 gramas de manteiga
  • 1 e ½  xícara de farinha de trigo
  • ½ colher (chá) de fermento químico
  • 4 bananas maduras
  • Geleia de morango (ou outro sabor de sua preferência)
    Para o suspiro:
  • 2 claras
  • 4 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo

  1. Para a massa, bata o açúcar com o ovo. Junte a manteiga e bata mais. Junte a farinha e o fermento e bata mais.
  2. Unte uma forma baixa. Forre a forma com a massa e leve ao forno.
  3. Coloque também no forno, em uma tigela à parte, as bananas cortadas em rodelas.
  4. Tire a massa quando começar a dourar. Deixe a banana até caramelizar um pouco.
  5. Para o suspiro, bata as claras com o açúcar até firmar.
  6. Monte a torta: coloque as bananas sobre a massa, depois um pouco de geleia e então o suspiro.
  7. Leve ao forno para dourar o suspiro – se tiver, use a função grill; ou use um maçarico culinário.

 

5. Torta de banana e goiabada

Torta de banana e goiabada (foto: O Caderno de Receitas)

Tente imaginar o aroma que essa torta deixa na casa.

Ingredientes

Para a massa:

  • 120 gramas de farinha de trigo
  • 60 gramas de manteiga
  • 60 gramas de açúcar
  • 1 gema
  • 1/2 colher (sopa) de fermento químico
  • 1 pitada de sal

Para o recheio:

  • 150 gramas de goiabada
  • 5 bananas bem maduras

Modo de preparo da massa

  1. Misture todos os ingredientes com os dedos até obter uma massa quebradiça.

Modo de preparo do recheio

  1. Corte em pedaços a goiabada e a banana e coloque-as em uma panela com um pouco de água.
  2. Em fogo baixo, mexa e acrescente água aos poucos até que os ingredientes derretam e virem uma pasta grossa.

Montagem

  1. Unte uma forma.
  2. Forre a forma com pedaços da massa como se fizesse uma colcha de retalhos bem selada.
  3. Despeje o recheio.
  4. Leve ao forno a 200ºC por cerca de 20 minutos.

 

6. Torta de banana com farofinha crocante

torta de banana e farofa crocante - Foto O Caderno de Receitas

Esta foi a primeira receita que publiquei no blog. Não por acaso. Criei este espaço para retomar bons pratos e lembranças, e a torta de banana da minha mãe está entre as mais doces.

Ingredientes

  • 3 colheres (sopa) bem cheias de manteiga gelada para fazer a massa, mais uma para salpicar sobre a torta montada
  • Bananas bem maduras (eu usei 6, mas depende do tamanho da fruta)
  • Ameixas secas picadas
  • Goiabada cremosa (ou goiabada sólida cortada em cubos)
  • 1 e ½ xícara de maizena
  • 1 e ½ xícara de açúcar
  • 1 e ½ xícara de farinha de trigo
  • 1 colher (sopa) de açúcar aromatizado com baunilha (existe uma versão industrializada; eu usei uma versão caseira, feita com uma fava de baunilha já sem as sementes imersa em um pote de açúcar)
  • 1 ovo

Modo de preparo

  1. Corte a manteiga em cubos e leve ao congelador.
  2. Enquanto ela gela, fatie a banana no sentido do comprimento, pique as ameixas secas e a goiabada (se for usar a sólida) e unte a a assadeira.
  3. Peneire e misture a maisena, a farinha de trigo e os açúcares em uma tigela grande. Acrescente o ovo e a manteiga e misture delicadamente com os dedos até obter a consistência de farofa granulada, como a de cobertura de bolo cuca. Não demore muito no processo para a manteiga não derreter.
  4. Na assadeira, distribua uma camada de farofa, outra de banana com pedaços de ameixas e colheradas de goiabada cremosa (ou cubos de goiabada sólida). Repita as camadas. Cubra com farofa e salpique pedaços de manteiga.
  5. Leve ao forno a 190º C até a lateral dourar. Se seu forno tiver a função grill, use para dourar a cobertura.
  6. Sirva quente ou fria, pura ou com sorvete.

 

7. Banana flambada com creme batido

Banana flambada e creme batido

Uma sobremesa simples, mas com pirotecnia.

Ingredientes*

  • 4 bananas grandes
  • ¼ de xícara de manteiga
  • ½ colher (sopa) de raspas de laranja
  • 2 colheres (sopa) de licor Cointreau
  • Açúcar para polvilhar
  • Creme de leite fresco para acompanhar

*Se você não tiver uma frigideira bem grande, diminua as quantidades ou faça metade de cada vez para acomodar as fatias de fruta lado a lado.

Modo de preparo

  1. Descasque e corte as bananas em fatias finas.
  2. Em uma frigideira de ferro grande, derreta a manteiga com as raspas de laranja e coloque as bananas.
  3. Vire as fatias quando estiverem douradas, depois polvilhe açúcar sobre elas.
  4. Quando o outro lado estiver dourado, adicione o Cointreau à frigideira com uma colher ou uma concha (não jogue direto da garrafa, para evitar acidentes; e mantenha por perto uma tampa de panela para o caso de precisar abafar as labaredas).
  5. Flambe imediatamente — com cuidado, use um acendedor de fogão ou um fósforo longo para colocar fogo na bebida dentro da frigideira; ou incline um pouco a frigideira, para o lado oposto ao que você está, até a chama do fogão atingir a bebida e provocar labaredas.
  6. Quando o fogo na frigideira acabar, sirva as bananas com o creme de leite batido com cachaça até ele adquirir consistência de chantilly.

 

8. Panqueca de banana

panqueca de banana

Um bom jeito de começar o dia.

Ingredientes

  • 1 banana amassada
  • 1 ovo
  • 1/2 xícara de leite
  • 1 colher (sopa) de manteiga derretida
  • 2 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 1 pitada de sal
  • 1 pitada de fermento

Modo de preparo

  1. Misture os ingredientes.
  2. Aqueça uma frigideira antiaderente untada com um fio de óleo ou um pouco de manteiga.
  3. Despeje pequenas porções da mistura, fazendo discos altos (depois de despejar, use uma espátula para ajustar o formato arrendondado).
  4. Aguarde alguns minutos, até que comece a dourar e desgrudar do fundo da frigideira, então vire e doure o outro lado.
  5. Sirva imediatamente, com um pouco de mel e frutas.

 

9. Chutney de banana

Receita de pasta de banana

Uma pasta adocicada e levemente picante para passar no pão.

Ingredientes

  • Bananas bem maduras
  • Canela
  • Suco de limão

Modo de preparo

  1. Corte a banana em rodelas, tempere com canela e limão a gosto.
  2. Em uma panela, leve ao fogo médio, mexendo até reduzir bem e se tornar uma pasta castanha.
  3. Sirva com pão ou como quiser (funcionou bem em um sanduíche com porco).

 

10. Sorvete de banana e só

sorvete de banana e só

Mais simples que isso, só a fruta pura. Ou a receita número 11.

Ingredientes

  • Bananas maduras

Modo de preparo

  1. Corte a fruta em rodelas e congele.
  2. Bata no liquidificador até ficar com textura cremosa e sirva imediatamente com um boleador de sorvete.
  3. Se quiser, acrescente mirtilos, morangos ou cacau em pó na hora de bater.

 

11. Banana fantasma

Fantasma de banana

Uma banana, uns pedacinhos de uva-passa, umas horas no congelador e olha a felicidade do garoto.

Para comer mais:

25 motivos comestíveis para comemorar o aniversário de São Paulo

Uma lista pessoal e de última hora sobre a comida da cidade em que nasci e que, depois de alguns anos de ausência, redescobri como minha

1. O bolinho de carne do Bar do Luiz Fernandes. Além de gostoso que só, ajuda a contar a história de São Paulo: a pequena mercearia de dona Idalina e seu Luiz Fernandes já não ia bem das pernas quando um supermercado abriu nas redondezas e quase quebrou o negócio; em vez de fechar, eles começaram a vender batidas e petiscos improvisados num pequeno fogareiro no bujão de gás; hoje, o boteco é uma instituição da zona norte de São Paulo. (Receita do bolinho aqui
(Foto: divulgação / Bar do Luiz Fernandes)

2. O pudim de leite do Delishop, no Bom Retiro. Conheci ontem (por que demorei tanto?) e já incluí na lista. Nas palavras do meu filho: “É melhor que batata frita com ketchup”. Vocês não sabem o que isso significa para ele.

3. Os dadinhos de tapioca do Mocotó. Hoje estão em todo canto, mas os dos Rodrigo Oliveira continuam imbatíveis. (Receita dos dadinhos aquiDadinhos de tapioca do Mocotó (foto: divulgação)
(Foto: divulgação / Mocotó)

4. O porco San Zé da Casa do Porco. E praticamente tudo que sai da cozinha do restaurante mais legal de São Paulo.

5. O cuscuz paulista do Bar da Dona Onça. De panela.

6. O pão de queijo recheado do A Baianeira. Puro, sem recheio, já é bom. Mas com ovo de gema mole escorrendo… Pão de queijo recheado com carne e ovo frito da Baianeira

7. Ali perto da Baianeira, embaixo do Minhocão, os croissants, brioches e outras delícias da Brioche Brasil, pequena fábrica do chef francês Christophe Guillard.
Brioche Brasil

8. O banquete coreano do Komah, com direito a vegetais fermentados produzidos pela mãe do chef Paulo Shin.

9. Falando em restaurante coreano, o bulgogui (churrasco) do BiCol, com seu jeitão de grande almoço de família.

10. Os doces brasileiros da Dona Doceira. A goiana Adriana Lira pesquisa receitas de raiz e cria docinhos tão delicados que dá até pena comer (mas eu como).Café goiano na Dona Doceira
(Foto: divulgação / Dona Doceira)

11. Os doces não muito doces mas muito saborosos da Confeitaria Marilia Zylbersztajn. Em especial a torta de maçã.

12. As edições da feira Sabor Nacional no Museu da Casa Brasileira. Leve canga, crianças, dinheiro (você vai gastar) e se espalhe.

13. As feiras gastronômicas do Aizomê: uma oportunidade de provar as criações da chef Telma Shiraishi em versão comida de rua (ou de garagem), como o katsu sando da foto abaixo, além de comer e beber o que convidados dela preparam.
Katsu sando - Aizomê Ichiba

14. O risoto de galinha do Hospedaria, restaurante da Mooca que coloca no pratos boas amostras do que é ser paulistano. (Receita aqui)
(Foto: Wellington Nemeth / Hospedaria)

15. Depois do almoço no Hospedaria, é só atravessar a rua para comer cannoli na DiCunto.

16. A coleção de pimentas do Tordesilhas, um restaurante que leva ardência a sério (e o resto da cozinha brasileira também).

17. A pizza da Carlos, que acerta demais na massa, no recheio e no clima (nada daquela melancolia de fim de domingo).

18. O hambúrguer do Ritz. Mas tem que ser o Franca, porque a espera na calçada, com bebida e bolinho de arroz, faz parte do programa.

19. O mercado de Pinheiros, para comprar de condimentos do dia-a-dia a ingredientes difíceis de achar nestas bandas, como maniçoba e farinha de araruta. E ainda dá para fazer uma boquinha na Napoli Centrale (pizza no almoço? Sim!), no Café Mocotó ou na Comedoria Gonzales (já provou a huminta do Checho Gonzales? Foto abaixo e receita aqui).

Huminta (bolinho de milho e quejo) da Comedoria Gonzales

20. A punheta de bacalhau da Academia da Gula, boteco português da dona Rosa.Punheta de bacalhau da Academia da Gula

21. A feira de orgânicos do parque da Água Branca. Para se abastecer, tomar café da manhã na sombra das árvores e emendar com um passeio no parque.

22. A feira (varejão) do Ceagesp. Para comprar peixe e vegetais e cansar a perna.

23. A porção de moules-frites do Teus, de preferência na varanda.

24. Os clássicos franceses do Casserole, com vista para a banca de flores do Largo do Arouche. Depois de um concerto na Sala São Paulo fica melhor.

25. O falovo (ovo com massa de falafel) do Pinati. Para abrir o apetite para o shawarma e outros pratos do cardápio.

Receita de mousse de gorgonzola da minha mãe

Fim de ano, tempo de me abastecer de comida de mãe. Sorte a sua, porque eu aproveito para compartilhar aqui o que tenho aprendido e comido. Hoje é dia de mousse de gorgonzola.

Lembro de na infância comer o prato quase sempre que tinha festa (desde que me entendo por gente tenho uma queda por queijos fortes). Receber gente em casa significava oferecer patês e canapés. Minha mãe mantém o hábito, pelo menos quando estou de visita. De repente antes do jantar surgem umas torradinhas assadas com rodelas de banana e pasta de manteiga e parmesão – bem melhor do que uma período intermediário em que talvez surgissem uns patês industrializados de presunto e afins. Melhoramos, em alguns aspectos.

Foi bom rever a mousse de gorgonzola neste fim de ano. Eu me perguntava se ainda iria gostar dela, depois de tempos sem reencontrar o sabor, e gostei muito. Apesar de ficar sabendo sabendo que a receita leva cubo de caldo de galinha como tempero – uma pitada de realidade para lembrar que eu não cresci em um idílio alimentar recheado somente de ingredientes frescos e pratos preparados a partir do zero.

Hoje, acompanhando o preparo da mousse, ponderei com a minha mãe que poderíamos dissolver a gelatina em um caldo caseiro concentrado, em vez de na água, e assim dispensar o cubinho de caldo. Ela concordou, mas sem muita convicção. Sempre fez com o cubinho e sempre viu os convidados devorarem a mousse. Então aí está a receita dela. Quem quiser que invente outra.

(Ah, não deixe ver a receita de farofa doce da minha mãe, no post anterior. E o próximo provavelmente vai ser a mousse de ameixa.)

Ingredientes

200 gramas de gorgonzola (mais um pouco para decorar)

1 lata de creme de leite

1 envelope de gelatina em pó

1 tablete de caldo de galinha
Modo de preparo

Ferva um copo de água fervente, desligue o fogo e dissolva a gelatina.

Bata 200 gramas do gorgonzola (reserve o restante), o creme de leite, a gelatina dissolvida e o tablete de caldo no liquidificador. 

Despeje em uma forma de gelatina ou mousse.

Deixe endurecer na geladeira para depois desenformar. 

Esfarele o restante do gorgonzola sobre a mousse para decorar.

Sirva com pão fresco ou torradas.

Geleia de casca de mexerica — memórias saborosas de uma viagem a Tiradentes

Geleia de mexerica e broa de fubá da pousada Armazém 26

Eu já tinha gostado da geleia de mexerica, mas caí de amores mesmo quando soube de quem era a receita: vovó Maricota. Não, não a conheci. Mas não consigo pensar em um nome melhor para uma avó mineira fazedora de quitutes. De repente todas as histórias que a neta Laura estava ali me contando faziam mais sentido. Não eram só lembranças de uma avó docinha, que preparava bolos sempre que recebia as cinco netas em sua casa em São João del Rei. Era a vovó Maricota.

Maria Aparecida Lordello Teixeira, a Maricota (foto abaixo), teve sete filhas e dois filhos. Então enviuvou. Morreu quatro décadas depois, aos 92 anos, não sem antes ter ensinado a receita de geleia de casca de mexerica para a filha Maria Inez. Esta, por sua vez, a passou para Laura, uma das três irmãs à frente de uma nova pousada cheia de história em Tiradentes. Laura a passou para mim, e eu logo mais a passo para vocês.

Maria Aparecida Lordello Teixeira, a Maricota

Tive a sorte de tomar um café da manhã lá, no Armazém 26, e provar a geleia, o pão de queijo, a broinha moldada na xícara (a massa é girada dentro do utensílio com fubá para ganhar o formato arredondado). Faltou experimentar a coalhada e o bolo de banana.

Mas não comi apenas. Também fiquei sabendo que boa parte da decoração do casarão colonial reformado vem de uma antiga tecelagem da família — das portas de ferro que viraram um painel na recepção ao pé de máquina transformado em mesa de café da manhã.

No saguão, há um cantinho reservado para contar, em fotos e documentos, a história do antepassado italiano fundador de uma fábrica têxtil que sobreviveu a décadas mas não à concorrência dos produtos chineses. Outra herança, a antiga cadeira de um avô dentista, ganhou uma cúpula e se tornou uma grande luminária articulada.

Laura Teixeira Lombardi, da pousada Armazém 26, de Tiradentes

Já na grande cozinha azulejada, com direito a fogão a gás imitando fogão à lenha, a homenageada é mesmo vovó Maricota. “Ela ensinou tudo para mim”, diz Laura (foto acima), a irmã encarregada da cozinha da pousada. Um partezinha desse tudo, a geleia de mexerica, ela compartilhou com a gente na receita a seguir.

Receita

Ingredientes

Mexericas
Açúcar
Suco de limão

Modo de preparo

  1. Lave as mexericas e tire as cascas.
  2. Deixe as cascas de molho em água fria em um recipiente de vidro cobertas com um pano. O pano cobre as cascas sobre a água (ele encosta na água).
  3. Troque a água duas vezes ao dia e lave o pano sempre que a água for trocada. Repita o processo durante cinco dias ou até que a água saia límpida, sem sumo.
  4. Aperte as cascas para tirar a água e bata-as no liquidificador.
  5. Pese a massa de casca de mexerica em uma vasilha. Adicione açúcar cristal em uma quantidade equivalente a 2/3 do total da massa (por exemplo: para 600 gramas de massa, use 400 gramas de açúcar).
  6. Leve ao fogo e mexa até o fundo da panela aparecer quando a colher for passada (lembre que quando esfria ela endurece mais).
  7. Coloque uma colher de suco de limão e mexa.
  8. Espere esfriar e guarde em potes. Pode ser congelada.

fogão da pousada Armazém 26

Para cozinhar mais:

Livro Cozinha de Vó – Histórias e receitas que trazem de volta o sabor da cozinha afetiva

Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante