Tag: aproveitamento

8 ideias para aproveitar sobras de comida e poupar dinheiro (R$ 1 milhão está bom?)

Você prefere comida no lixo ou dinheiro no banco? Não conheço quem responda comida no lixo, mas, sem querer, é isso que a gente escolhe todos os dias. Segundo uma pesquisa da Embrapa, cada família brasileira joga fora diariamente 353 gramas de comida, ou 128,8 quilos ao ano. No mundo, o desperdício de alimentos chega a 1,6 bilhão de toneladas anuais, ou 1,2 trilhão de dólares, ou um terço de tudo que é produzido. O Instituto Akatu já fez a conta: se uma família que gasta 650 reais por mês com alimentação reduzisse o desperdício pela metade e aplicasse o dinheiro poupado, em 70 anos teria mais de um milhão de reais no banco.

Um milhão a mais. Nos vemos em 70 anos. Enquanto isso, vou falar de algumas ideias simples para aproveitar bem a comida e transformar o jantar de hoje no almoço de amanhã. Mas o principal, acho, é o mais básico: olhar para a geladeira e para os armários e pensar as próximas refeições em cima do que a gente já tem em casa.

1. Panquecas e omeletes podem receber praticamente tudo o que sobra na geladeira.

Panqueca de fermento natural

Na panqueca da foto acima, peguei fermento natural que tinha sobrado do preparo de pão e juntei com o que tinha em casa (ovo, aspargo, tomate, queijo, salsinha, cebola e alho) — veja a receita de panqueca de fermento natural aqui.

Você também pode fazer uma panqueca tradicional (receita aqui) e rechear com o que tiver, talvez com um refogado de frango assado que sobrou de outra refeição (como na foto abaixo)

panqueca de frango

2. Sopas também aceitam a lógica do “tudo que tem”

Sopa de batata e milho - ocadernodereceitas

Como esta sopa de batata e milho, em que peguei um purê de batata já pronto, temperado com açafrão, e juntei cebola e alho refogados, milho fresco, leite e umas folhinhas de manjericão.

3. Faça seu próprio caldo em cubinhos

Vegetais congelados para caldo

Você pode trocar o caldo pronto por caldo caseiro feito com sobras como a base da cenoura, a casca e a ponta cabeluda da cebola, a casca do parmesão, talos de ervas, os ossos do assado… Em vez de jogar fora, vá congelando esses restos para fazer seu caldo de carne, frango ou legumes (é só cozinhar em água até soltarem bem o sabor e depois coar o líquido). Se quiser, congele esse líquido em formas de gelo e faça seus próprios cubinhos de caldo.

4. Sobras de churrasco? Oba, salada de carne com cebola!

Salada de carne (O Caderno de Receitas)

Confira a receita aqui.

5. A carne moída entra em mil e uma aventuras.

Molho de tomate com carne moída

Era uma vez uma carne moída feita para rechear torta (receita aqui). Sobrou, ganhou tomate picado, virou molho de macarrão. Salvou uma noite de domingo, sobrou de novo, vai ficar congelada até ser chamada para novas aventuras.

6. Pão velho é que faz farinha de rosca boa.

Pão de fermentação natural (Foto: O Caderno de Receitas)

Em vez de jogar fora o pão amanhecido, torre e bata no processador para fazer farinha de rosca. Ou corte em rodelas e asse com um fio de azeite para guardar na forma de torradinhas. Ou use em pedaços em uma receita de ovos ao forno.

Agora, se quiser um pão fresquinho de novo, tente umedecer a crosta levemente e levá-lo ao forno. 

7. Salve as bananas.

bolo de banana com amêndoas

Vira-e-mexe uma receita pede banana madura e a gente não encontra no mercado. Então, se você tiver algumas à beira de se perder, aproveite para fazer bolo, torta, vitamina…

Outra opção é congelar a fruta em rodelas e bater para fazer um sorvete cremoso.

Veja aqui algumas ideias para aproveitar bananas.

8. Não jogue fora as folhas de beterraba e cenoura.

Frango ao tandoori com beterraba cozida e arroz

Elas dão boas saladas.

 

Para cozinhar mais:

Compre na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

11 receitas com banana

Yes, ainda tenho bananas. Tempos atrás eu publiquei uma lista de receitas com a fruta e agora é hora de atualizá-la. Porque banana é popular, é barata, é versátil, vem embaladinha, é boa demais, é o ingrediente principal da minha torta favorita. Veio do Sudeste Asiática, mas já se fez de casa há uns bons cinco séculos. Como diz o ditado registrado por Câmara Cascudo no livro História da Alimentação no Brasil:

Com banana e farinha
Passo eu e a vizinha…”

1. Canapé de banana com parmesão

canapé de banana e queijo - O Caderno de Receitas

Nada para servir de petisco? Se você tem bananas, está quase lá. É só juntar pão (vale amanhecido) e parmesão e já consegue fazer esses canapés, receitinha da minha mãe.

Ingredientes

  • Banana
  • Pão francês ou baguete
  • Queijo ralado

Modo de preparo

  1. Corte o pão em rodelas e leve ao forno para tostar levemente.
  2. Coloque uma rodela de banana e um pouco do parmesão ralado sobre as fatias de pão tostado.
  3. Leve o canapé montado ao forno até o queijo derreter e a fruta dourar um pouco.

 

2. Bolo de banana

bolo de banana com amêndoas

Adaptei o banana bread do site Simply Recipes e transformei em uma nova receita de família.

Ingredientes

  • 3 bananas bem maduras
  • ⅓ de xícara de manteiga derretida
  • 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
  • 1 pitada de sal
  • ½ xícara de açúcar
  • 1 ovo batido
  • 1 ½ xícara de farinha de trigo
  • 1 colher (chá) de extrato de baunilha
  • 1 punhado de uvas passas ou mirtilos
  • 1 punhado de amêndoas laminadas

Modo de preparo

  1. Amasse as bananas com um garfo e misture-as à manteiga derretida.
  2. Mexendo com uma colher, junte o bicarbonato, o sal, o açúcar, o ovo, a farinha, as uvas passas ou mirtilos e a baunilha.
  3. Despeje a massa em uma forma untada e enfarinhada. Salpique as amêndoas por cima.
  4. Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC.
  5. O bolo estará pronto quando ficar levemente dourado e, quando espetado com um palito de madeira no centro, o palito sair seco, sem massa grudada.

 

3. Banana-passa recheada de doce de leite

Banana passa com doce de leite - receita do livro Cozinha de Vó

Um docinho de festa gostoso e fácil de fazer.

Ingredientes

  • 1 lata de leite condensado
  • Banana-passa (comprei 3 pacotinhos)
  • Açúcar cristal

Modo de preparo

  1. Para fazer o doce de leite, coloque a lata de leite condensado coberta de água em uma panela de pressão.
  2. Quando a  panela pegar pressão, reduza o fogo para o mínimo e deixe cozinhar por 50 minutos.
  3. Desligue o fogo e espere que a panela perca totalmente a pressão antes de abri-la.
  4. Corte as bananas em pedaços de 2 ou 3 centímetros.
  5. Corte cada um dos pedaços no sentido do comprimento, sem ir até o fim, criando uma fenda (como se eu estivesse abrindo um pão para fazer sanduíche).
  6. Com uma colher de chá, recheie as fendas com doce de leite.
  7. Espalhe açúcar cristal em um pires e passe a parte com doce de leite dos “sanduichinhos” por esse açúcar (isso evita que fiquem muito grudentos).
  8. Sirva sobre forminhas de papel.

 

4. Torta de banana e suspiro

Torta de banana com suspiro

Uma receita que passou do caderno da avó Cidinha para o neto João Fladt Queiroz (e que eu reproduzi em casa).

Ingredientes

  • 5 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 ovo
  • 75 gramas de manteiga
  • 1 e ½  xícara de farinha de trigo
  • ½ colher (chá) de fermento químico
  • 4 bananas maduras
  • Geleia de morango (ou outro sabor de sua preferência)
    Para o suspiro:
  • 2 claras
  • 4 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo

  1. Para a massa, bata o açúcar com o ovo. Junte a manteiga e bata mais. Junte a farinha e o fermento e bata mais.
  2. Unte uma forma baixa. Forre a forma com a massa e leve ao forno.
  3. Coloque também no forno, em uma tigela à parte, as bananas cortadas em rodelas.
  4. Tire a massa quando começar a dourar. Deixe a banana até caramelizar um pouco.
  5. Para o suspiro, bata as claras com o açúcar até firmar.
  6. Monte a torta: coloque as bananas sobre a massa, depois um pouco de geleia e então o suspiro.
  7. Leve ao forno para dourar o suspiro – se tiver, use a função grill; ou use um maçarico culinário.

 

5. Torta de banana e goiabada

Torta de banana e goiabada (foto: O Caderno de Receitas)

Tente imaginar o aroma que essa torta deixa na casa.

Ingredientes

Para a massa:

  • 120 gramas de farinha de trigo
  • 60 gramas de manteiga
  • 60 gramas de açúcar
  • 1 gema
  • 1/2 colher (sopa) de fermento químico
  • 1 pitada de sal

Para o recheio:

  • 150 gramas de goiabada
  • 5 bananas bem maduras

Modo de preparo da massa

  1. Misture todos os ingredientes com os dedos até obter uma massa quebradiça.

Modo de preparo do recheio

  1. Corte em pedaços a goiabada e a banana e coloque-as em uma panela com um pouco de água.
  2. Em fogo baixo, mexa e acrescente água aos poucos até que os ingredientes derretam e virem uma pasta grossa.

Montagem

  1. Unte uma forma.
  2. Forre a forma com pedaços da massa como se fizesse uma colcha de retalhos bem selada.
  3. Despeje o recheio.
  4. Leve ao forno a 200ºC por cerca de 20 minutos.

 

6. Torta de banana com farofinha crocante

torta de banana e farofa crocante - Foto O Caderno de Receitas

Esta foi a primeira receita que publiquei no blog. Não por acaso. Criei este espaço para retomar bons pratos e lembranças, e a torta de banana da minha mãe está entre as mais doces.

Ingredientes

  • 3 colheres (sopa) bem cheias de manteiga gelada para fazer a massa, mais uma para salpicar sobre a torta montada
  • Bananas bem maduras (eu usei 6, mas depende do tamanho da fruta)
  • Ameixas secas picadas
  • Goiabada cremosa (ou goiabada sólida cortada em cubos)
  • 1 e ½ xícara de maizena
  • 1 e ½ xícara de açúcar
  • 1 e ½ xícara de farinha de trigo
  • 1 colher (sopa) de açúcar aromatizado com baunilha (existe uma versão industrializada; eu usei uma versão caseira, feita com uma fava de baunilha já sem as sementes imersa em um pote de açúcar)
  • 1 ovo

Modo de preparo

  1. Corte a manteiga em cubos e leve ao congelador.
  2. Enquanto ela gela, fatie a banana no sentido do comprimento, pique as ameixas secas e a goiabada (se for usar a sólida) e unte a a assadeira.
  3. Peneire e misture a maisena, a farinha de trigo e os açúcares em uma tigela grande. Acrescente o ovo e a manteiga e misture delicadamente com os dedos até obter a consistência de farofa granulada, como a de cobertura de bolo cuca. Não demore muito no processo para a manteiga não derreter.
  4. Na assadeira, distribua uma camada de farofa, outra de banana com pedaços de ameixas e colheradas de goiabada cremosa (ou cubos de goiabada sólida). Repita as camadas. Cubra com farofa e salpique pedaços de manteiga.
  5. Leve ao forno a 190º C até a lateral dourar. Se seu forno tiver a função grill, use para dourar a cobertura.
  6. Sirva quente ou fria, pura ou com sorvete.

 

7. Banana flambada com creme batido

Banana flambada e creme batido

Uma sobremesa simples, mas com pirotecnia.

Ingredientes*

  • 4 bananas grandes
  • ¼ de xícara de manteiga
  • ½ colher (sopa) de raspas de laranja
  • 2 colheres (sopa) de licor Cointreau
  • Açúcar para polvilhar
  • Creme de leite fresco para acompanhar

*Se você não tiver uma frigideira bem grande, diminua as quantidades ou faça metade de cada vez para acomodar as fatias de fruta lado a lado.

Modo de preparo

  1. Descasque e corte as bananas em fatias finas.
  2. Em uma frigideira de ferro grande, derreta a manteiga com as raspas de laranja e coloque as bananas.
  3. Vire as fatias quando estiverem douradas, depois polvilhe açúcar sobre elas.
  4. Quando o outro lado estiver dourado, adicione o Cointreau à frigideira com uma colher ou uma concha (não jogue direto da garrafa, para evitar acidentes; e mantenha por perto uma tampa de panela para o caso de precisar abafar as labaredas).
  5. Flambe imediatamente — com cuidado, use um acendedor de fogão ou um fósforo longo para colocar fogo na bebida dentro da frigideira; ou incline um pouco a frigideira, para o lado oposto ao que você está, até a chama do fogão atingir a bebida e provocar labaredas.
  6. Quando o fogo na frigideira acabar, sirva as bananas com o creme de leite batido com cachaça até ele adquirir consistência de chantilly.

 

8. Panqueca de banana

panqueca de banana

Um bom jeito de começar o dia.

Ingredientes

  • 1 banana amassada
  • 1 ovo
  • 1/2 xícara de leite
  • 1 colher (sopa) de manteiga derretida
  • 2 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 1 pitada de sal
  • 1 pitada de fermento

Modo de preparo

  1. Misture os ingredientes.
  2. Aqueça uma frigideira antiaderente untada com um fio de óleo ou um pouco de manteiga.
  3. Despeje pequenas porções da mistura, fazendo discos altos (depois de despejar, use uma espátula para ajustar o formato arrendondado).
  4. Aguarde alguns minutos, até que comece a dourar e desgrudar do fundo da frigideira, então vire e doure o outro lado.
  5. Sirva imediatamente, com um pouco de mel e frutas.

 

9. Chutney de banana

Receita de pasta de banana

Uma pasta adocicada e levemente picante para passar no pão.

Ingredientes

  • Bananas bem maduras
  • Canela
  • Suco de limão

Modo de preparo

  1. Corte a banana em rodelas, tempere com canela e limão a gosto.
  2. Em uma panela, leve ao fogo médio, mexendo até reduzir bem e se tornar uma pasta castanha.
  3. Sirva com pão ou como quiser (funcionou bem em um sanduíche com porco).

 

10. Sorvete de banana e só

sorvete de banana e só

Mais simples que isso, só a fruta pura. Ou a receita número 11.

Ingredientes

  • Bananas maduras

Modo de preparo

  1. Corte a fruta em rodelas e congele.
  2. Bata no liquidificador até ficar com textura cremosa e sirva imediatamente com um boleador de sorvete.
  3. Se quiser, acrescente mirtilos, morangos ou cacau em pó na hora de bater.

 

11. Banana fantasma

Fantasma de banana

Uma banana, uns pedacinhos de uva-passa, umas horas no congelador e olha a felicidade do garoto.

Para comer mais:

O churrasco que se transforma em salada

Salada de carne (O Caderno de Receitas)

Aprendi com a minha mãe que o churrasco do fim de semana é a salada de carne da segunda-feira. Ela, como tantas mães, era — e é — sabida quanto ao aproveitamento na cozinha. Porque a comida de ontem é um ótimo ponto de partida para a comida de hoje: por questões econômicas, ambientais e de criatividade.

Quantas vezes você já se pegou pensando: cozinhar o quê? Eu, várias vezes. E muitas vezes encontro resposta na despensa ou na geladeira (outras vezes, na feira).

Então, quando soube que uma das palestras do seminário Fru.to, promovido por Alex Atala, tinha como tema “Desperdício é falha de imaginação”, me interessei. O palestrante foi o chef Douglas McMaster, do Silo, restaurante britânico que trabalha com a meta de “desperdício zero” e transforma restos de alimentos em adubo, distribuído entre agricultores locais.

Perdi a palestra, espero que o Fru.to a disponibilize no site. Enquanto isso, faço a receita de salada de carne da minha mãe. E fico com uma frase do escritor americano Calvin Trillin:

A coisa mais notável sobre minha mãe é que por 30 anos ela serviu à família apenas sobras. A refeição original nunca foi encontrada.”

Receita: salada de carne

Ingredientes

Sobra de churrasco
Azeite
Cebola
Vinagre
Molho inglês
Pimenta-do-reino
Salsinha
Cebolinha

Modo de preparo

  1. Limpe bem a carne assada que sobrou do churrasco – é mais fácil fazer isso com ela gelada.
  2. Corte a carne em tiras, no sentido contrário às fibras.
  3. Misture todos os ingredientes.
  4. Deixe a salada de carne na geladeira para os sabores se misturarem até a hora de servir.
  5. Vai bem no prato, com salada de folhas e batatas, por exemplo, ou como recheio de sanduíche.

Para cozinhar mais:

Agora na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Menu do cerco a Paris — e as lições de Escoffier para tempos de escassez

Menu do restaurante Voisin (reprodução do livro Escoffier - O Rei dos Chefs)

Para quem temeu pela própria despensa durante a paralisação dos caminhoneiros, que tal esse menu servido por um restaurante no 99º dia de cerco a Paris em 1870?

O cardápio está na biografia Escoffier – O Rei dos Chefs, de Kenneth James (o livro não é novo, mas li agora e recomendo). Foi servido no Natal pelo restaurante Voisin, quando a capital francesa estava sitiada pelos alemães durante a Guerra Franco-Prussiana. O biografado, Auguste Escoffier, não trabalhava no Voisin nem estava em Paris nessa época, mas James usa o menu para contextualizar a situação dos restaurantes no período do cerco (e porque deve ter sido irresistível para o autor contar a história desse menu).

Na cidade isolada por meses, faltavam mantimentos para todos, inclusive para os bichos do zoológico, que resolveu vendê-los para restaurantes. Surgiram então pratos como tromba de elefante ao molho caçador e bife de urso, além do menu do Voisin.

Reprodução de menu do Voisin

Exótico, e um luxo para poucos. Nas ruas, cachorros, gatos e ratos eram vendidos como comida — alguns deles, aliás, entravam no prato do Voisin chamado Le chat flanqué de rats (gato acompanhado de ratos). Criatividade e humor negro à mesa não pareciam faltar.

Escoffier não ficou preso no cerco porque antes tinha sido recrutado no restaurante onde trabalhava, Le Petit Moulin Rouge. Como chef de cozinha no front, se esforçava para alimentar os oficiais do seu regimento — inicialmente com classe, depois do jeito que dava.

A seguir, lições para tempos de escassez — ou qualquer tempo — que podem ser tiradas da biografia de Escoffier, considerado o primeiro dos grandes chefs modernos.

  • Poupe a bebida – mas lembre-se de que amanhã você talvez não esteja vivo para tomar o que deixou de aproveitar hoje. Um exemplo de menu servido por ele na guerra:
    Sardinhas ao azeite
    Salsicha vienense
    Ovos cozidos
    Rosbife assado ao ponto
    Salada de batatas
    Café
    Fine champagne
  • Quem conserva (quase) sempre tem: atum e sardinha em lata compuseram várias refeições durante o conflito.  E são uma saída de emergência digna para muitas refeições de última hora em tempos de paz (podem entrar em uma torta que eu adoro).
  • Batata e cebola duram e podem ser combinadas de mil maneiras reconfortantes. Pense em sopa de cebola, salada de batata e tudo que pode ganhar mais sustança e sabor com esses ingredientes. Ovos também são versáteis e fáceis de armazenar.
  • Carne é pra render. Nas mãos de Escoffier, um coelho picadinho, com bastante cebola e acompanhado de batata-frita, serviu um batalhão inteiro (quer dizer, pelo menos os oficiais de um regimento). De um porco, ele fez um patê que levava do pernil à pele. E por aí vai.
  • A carne de ontem também é um prato que se come frio — pense em uma salada de carne fatiada e bem temperada com ervas.
  • Sobras são uma possibilidade de exercitar a criatividade, “Atingi níveis nunca antes alcançados em se tratando de aproveitar restos. Meus colegas ficavam espantados”, disse Escoffier sobre seu período como chef no exército. “Almoçávamos basicamente o mesmo que os oficiais, por exemplo, soberbos gratins de restos de aves, com macarrão picado e ligado com algumas colheradas de béchamel.”
  • Geleia é mais do que uma pastinha doce para passar na torrada. Na falta de açúcar, Escoffier adoçava sobremesas com a geleia de mirabelles que tinham no estoque. Como no seu arroz à moda de Lorraine: camadas de arroz cozido no leite de cabra entremeadas por geleia, cobertas por compota de maçã e salpicadas de farelos de biscoito militar. Para acompanhar, kirsch (destilado de cereja).

Para cozinhar mais:

Fruta de sobremesa – em forma de picolé

Picolé de limão com mel

Aí vai mais um post na linha: o que fazer com fruta madura?

Desta vez, fiz picolé. Coisa mais fácil.

É época de manga, adoro manga, compramos demais. Meu filho comeu umas cortadas cubinhos; outras, chupou inteiras, se lambuzando sem medo e sem camisa, como eu fazia em tantas férias no sítio. Ele não tem as mangueiras da minha infância para subir, as frutas vêm da feira mesmo, mas já é alguma coisa pegar o alimento com as mãos, puxar os fiapos com os dentes.

Acontece que sobrou manga. Já ia perder algumas, a polpa molenga demais para receber boas dentadas. Pensei em bater uma vitamina. Ri de mim quando titubeei diante da ideia de misturar manga com leite. Sei que é balela a história de que a combinação faz mal, provavelmente coisa do Brasil colonial que queria manter os escravos longe do leite nas fazendas. Mas essas crendices grudam na gente, às vezes disfarçadas de gosto: manga não combina com leite. Pode combinar, já provei uma boa sobremesa indiana que juntava as duas coisas, mas, na dúvida, que tal um suco?

De tão doce, a manga pedia algo ácido, meio limão espremido. E um pouco de água, para fazer um suco grosso, quase um creme. Peneira, nem pensar. Esse creme podia virar sobremesa. Esse creme podia virar picolé! As forminhas plásticas que andavam esquecidas no armário desde o último verão logo se encheram de manga. Sobraram algumas vazias, e sobravam também bananas maduras no cesto, então fiz uma versão de banana e cacau – desta vez, sem leite, mas já fiz com e fica gostoso.

Nenhum dos picolés foi adoçado, pois as frutas já eram bem doces. Ambos foram testados e aprovados pelo meu filho. (Abaixo, coloquei também o preparo de um picolé de limão que fiz outro dia e que foi igualmente aprovado).

Meu testador oficial de picolés com a versão de banana e cacau (foto: O Caderno de Receitas)

Ingredientes
Picolé 1:
Manga bem madura
Suco de limão
Picolé 2:
Banana bem madura
Cacau em pó
Picolé 3:
Suco de limão cravo
Suco de limão taiti
Mel

Modo de preparo
Bata os ingredientes, despeje em forminhas e deixe endurecer no congelador. (No caso do limão, não precisa nem bater, só misturar.)

Dica
Para facilitar a retirada do picolé pronto, antes de despejar o suco unte levemente o interior das forminhas com um pouco de óleo vegetal pingado em um papel-toalha. Isso não é sempre necessário: fiz só na versão de banana, mais cremosa, que em outra ocasião tive dificuldade para retirar sem quebrar. Na de manga e na de limão, só deixo correr água da torneira sobre o fundo das forminhas antes de retirar o picolé, e as seguro por baixo na hora de puxar.

Para cozinhar mais: