Minha versão do penne com aspargos e presunto cru do Ritz

penne com aspargos e presunto cru - O Caderno de Receitas

Vi aspargos bonitos e relativamente baratos no mercado, resolvi fazer minha versão do penne com aspargos, presunto cru, creme e parmesão que já comi tantas vezes no restaurante Ritz da alameda Franca. Assim trouxe para casa o prato de um lugar em que eu sempre me sinto em casa — e que ao mesmo tempo às vezes me lembra dos tempos em que eu me sentia poeirinha na cidade grande.

Porque quando voltei para São Paulo, sem meus pais, depois de passar a adolescência em Vitória, a metrópole me dava vertigem. Eu gostava da sensação, que era também a vertigem de estar adulta, sozinha, anônima nas ruas.

Hoje criei meu canto na cidade, uma vida de interior dentro bairro, uma casa ninho com passarinho novo. E foi para ele, meu Pedrinho, que fiz esta receita, bem livremente inspirada na do Ritz (que ele, aliás, conheceu recentemente — e lá  se fartou com hamburguinhos).

Receita

Ingredientes

1 dúzia de aspargos
1 cebola
Azeite
Creme de leite fresco
Parmesão
Sal
Pimenta-do-reino
Presunto cru
Penne

Modo de preparo

  1. Descarte a base esbranquiçada e dura dos aspargos. Corte o resto da base em rodelas e reserva as cabeças.
  2. Esquente a água para a massa.
  3. Pique uma cebola e refogue no azeite.
  4. Coloque o penne para cozinhar (não descarte toda a água do cozimento ao escorrê-lo).
  5. Junte as rodelas de aspargos e um pouco de água quente (cerca de 1/2 xícara). Cozinhe alguns minutos até amaciar um pouco.
  6. Junte uma esguichada de creme de leite e ferva para engrossar. Junte as cabeças dos aspargos. Rale parmesão por cima, tempere com pimenta-do-reino e sal a gosto (cuidado, porque o presunto cru é salgado).
  7. Misture o penne cozido ao dente ao creme com aspargos. Se ficar muito grosso para misturar, acrescente um pouco da água do cozimento da massa.
  8. Junte os pedaços de presunto cru.

Para cozinhar mais:

Agora na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

O churrasco que se transforma em salada

Salada de carne (O Caderno de Receitas)

Aprendi com a minha mãe que o churrasco do fim de semana é a salada de carne da segunda-feira. Ela, como tantas mães, era — e é — sabida quanto ao aproveitamento na cozinha. Porque a comida de ontem é um ótimo ponto de partida para a comida de hoje: por questões econômicas, ambientais e de criatividade.

Quantas vezes você já se pegou pensando: cozinhar o quê? Eu, várias vezes. E muitas vezes encontro resposta na despensa ou na geladeira (outras vezes, na feira).

Então, quando soube que uma das palestras do seminário Fru.to, promovido por Alex Atala, tinha como tema “Desperdício é falha de imaginação”, me interessei. O palestrante foi o chef Douglas McMaster, do Silo, restaurante britânico que trabalha com a meta de “desperdício zero” e transforma restos de alimentos em adubo, distribuído entre agricultores locais.

Perdi a palestra, espero que o Fru.to a disponibilize no site. Enquanto isso, faço a receita de salada de carne da minha mãe. E fico com uma frase do escritor americano Calvin Trillin:

A coisa mais notável sobre minha mãe é que por 30 anos ela serviu à família apenas sobras. A refeição original nunca foi encontrada.”

Receita: salada de carne

Ingredientes

Sobra de churrasco
Azeite
Cebola
Vinagre
Molho inglês
Pimenta-do-reino
Salsinha
Cebolinha

Modo de preparo

  1. Limpe bem a carne assada que sobrou do churrasco – é mais fácil fazer isso com ela gelada.
  2. Corte a carne em tiras, no sentido contrário às fibras.
  3. Misture todos os ingredientes.
  4. Deixe a salada de carne na geladeira para os sabores se misturarem até a hora de servir.
  5. Vai bem no prato, com salada de folhas e batatas, por exemplo, ou como recheio de sanduíche.

Para cozinhar mais:

Agora na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

Torta madalena: da minha mãe para o meu filho

Receita de torta madalena (de carne e batata)

Semana passada fui recebida com torta madalena pela minha mãe em Vitória, e me senti cuidada que só. Hoje fiz torta madalena para meu filho em São Paulo. Ele amou, assim como eu amei. Porque filé de wagyu tem seu valor (ô se tem), mas carne moída temperadinha, ainda mais com purê de batata e queijo, aí pega na alma.

Se sobrar recheio, melhor ainda. Guarde para comer com arroz e feijão, rechear pastel, servir com macarrão… Porque, além de gostosa, a carne moída é campeã de aproveitamento.

Então vamos à receita, conforme aprendi com a minha mãe:

Ingredientes

Batata (1 kg mais ou menos)
1 cebola
2 dentes de alho
Azeite
Carne moída (usei uns 500 g de patinho)
1 lata de tomate picado
Um punhado de azeitonas sem caroço
Sal
Pimenta-do-reino
Queijo parmesão ralado (mais ou menos 1/2 xícara)
4 ovos

Modo de preparo

  1. Cozinhe as batatas.
  2. Cozinhe dois ovos.
  3. Refogue cebola e alho no azeite. Junte a carne, mexa, depois junte o tomate. Adicione as azeitonas, sal e pimenta.
  4. Quando as batatas estiverem macias, espere que esfriem um pouco, então as descasque e amasse com dois ovos crus, queijo ralado, sal e pimenta.
  5. Em um travessa, coloque uma camada de batata, depois uma de carne. Espalhe pedaços dos ovos cozidos, depois cubra com outra camada de batata. Salpique parmesão ralado por cima.
  6. Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC até dourar (uns 40 minutos).

Receita de torta madalena (de carne e batata)

Para cozinhar mais:

Agora na nossa loja online!
Capa do Livro Cozinha de Vó - Mariana Weber - Superinteressante

25 motivos comestíveis para comemorar o aniversário de São Paulo

Uma lista pessoal e de última hora sobre a comida da cidade em que nasci e que, depois de alguns anos de ausência, redescobri como minha

1. O bolinho de carne do Bar do Luiz Fernandes. Além de gostoso que só, ajuda a contar a história de São Paulo: a pequena mercearia de dona Idalina e seu Luiz Fernandes já não ia bem das pernas quando um supermercado abriu nas redondezas e quase quebrou o negócio; em vez de fechar, eles começaram a vender batidas e petiscos improvisados num pequeno fogareiro no bujão de gás; hoje, o boteco é uma instituição da zona norte de São Paulo. (Receita do bolinho aqui
(Foto: divulgação / Bar do Luiz Fernandes)

2. O pudim de leite do Delishop, no Bom Retiro. Conheci ontem (por que demorei tanto?) e já incluí na lista. Nas palavras do meu filho: “É melhor que batata frita com ketchup”. Vocês não sabem o que isso significa para ele.

3. Os dadinhos de tapioca do Mocotó. Hoje estão em todo canto, mas os dos Rodrigo Oliveira continuam imbatíveis. (Receita dos dadinhos aquiDadinhos de tapioca do Mocotó (foto: divulgação)
(Foto: divulgação / Mocotó)

4. O porco San Zé da Casa do Porco. E praticamente tudo que sai da cozinha do restaurante mais legal de São Paulo.

5. O cuscuz paulista do Bar da Dona Onça. De panela.

6. O pão de queijo recheado do A Baianeira. Puro, sem recheio, já é bom. Mas com ovo de gema mole escorrendo… Pão de queijo recheado com carne e ovo frito da Baianeira

7. Ali perto da Baianeira, embaixo do Minhocão, os croissants, brioches e outras delícias da Brioche Brasil, pequena fábrica do chef francês Christophe Guillard.
Brioche Brasil

8. O banquete coreano do Komah, com direito a vegetais fermentados produzidos pela mãe do chef Paulo Shin.

9. Falando em restaurante coreano, o bulgogui (churrasco) do BiCol, com seu jeitão de grande almoço de família.

10. Os doces brasileiros da Dona Doceira. A goiana Adriana Lira pesquisa receitas de raiz e cria docinhos tão delicados que dá até pena comer (mas eu como).Café goiano na Dona Doceira
(Foto: divulgação / Dona Doceira)

11. Os doces não muito doces mas muito saborosos da Confeitaria Marilia Zylbersztajn. Em especial a torta de maçã.

12. As edições da feira Sabor Nacional no Museu da Casa Brasileira. Leve canga, crianças, dinheiro (você vai gastar) e se espalhe.

13. As feiras gastronômicas do Aizomê: uma oportunidade de provar as criações da chef Telma Shiraishi em versão comida de rua (ou de garagem), como o katsu sando da foto abaixo, além de comer e beber o que convidados dela preparam.
Katsu sando - Aizomê Ichiba

14. O risoto de galinha do Hospedaria, restaurante da Mooca que coloca no pratos boas amostras do que é ser paulistano. (Receita aqui)
(Foto: Wellington Nemeth / Hospedaria)

15. Depois do almoço no Hospedaria, é só atravessar a rua para comer cannoli na DiCunto.

16. A coleção de pimentas do Tordesilhas, um restaurante que leva ardência a sério (e o resto da cozinha brasileira também).

17. A pizza da Carlos, que acerta demais na massa, no recheio e no clima (nada daquela melancolia de fim de domingo).

18. O hambúrguer do Ritz. Mas tem que ser o Franca, porque a espera na calçada, com bebida e bolinho de arroz, faz parte do programa.

19. O mercado de Pinheiros, para comprar de condimentos do dia-a-dia a ingredientes difíceis de achar nestas bandas, como maniçoba e farinha de araruta. E ainda dá para fazer uma boquinha na Napoli Centrale (pizza no almoço? Sim!), no Café Mocotó ou na Comedoria Gonzales (já provou a huminta do Checho Gonzales? Foto abaixo e receita aqui).

Huminta (bolinho de milho e quejo) da Comedoria Gonzales

20. A punheta de bacalhau da Academia da Gula, boteco português da dona Rosa.Punheta de bacalhau da Academia da Gula

21. A feira de orgânicos do parque da Água Branca. Para se abastecer, tomar café da manhã na sombra das árvores e emendar com um passeio no parque.

22. A feira (varejão) do Ceagesp. Para comprar peixe e vegetais e cansar a perna.

23. A porção de moules-frites do Teus, de preferência na varanda.

24. Os clássicos franceses do Casserole, com vista para a banca de flores do Largo do Arouche. Depois de um concerto na Sala São Paulo fica melhor.

25. O falovo (ovo com massa de falafel) do Pinati. Para abrir o apetite para o shawarma e outros pratos do cardápio.

Receita de mousse de gorgonzola da minha mãe

Fim de ano, tempo de me abastecer de comida de mãe. Sorte a sua, porque eu aproveito para compartilhar aqui o que tenho aprendido e comido. Hoje é dia de mousse de gorgonzola.

Lembro de na infância comer o prato quase sempre que tinha festa (desde que me entendo por gente tenho uma queda por queijos fortes). Receber gente em casa significava oferecer patês e canapés. Minha mãe mantém o hábito, pelo menos quando estou de visita. De repente antes do jantar surgem umas torradinhas assadas com rodelas de banana e pasta de manteiga e parmesão – bem melhor do que uma período intermediário em que talvez surgissem uns patês industrializados de presunto e afins. Melhoramos, em alguns aspectos.

Foi bom rever a mousse de gorgonzola neste fim de ano. Eu me perguntava se ainda iria gostar dela, depois de tempos sem reencontrar o sabor, e gostei muito. Apesar de ficar sabendo sabendo que a receita leva cubo de caldo de galinha como tempero – uma pitada de realidade para lembrar que eu não cresci em um idílio alimentar recheado somente de ingredientes frescos e pratos preparados a partir do zero.

Hoje, acompanhando o preparo da mousse, ponderei com a minha mãe que poderíamos dissolver a gelatina em um caldo caseiro concentrado, em vez de na água, e assim dispensar o cubinho de caldo. Ela concordou, mas sem muita convicção. Sempre fez com o cubinho e sempre viu os convidados devorarem a mousse. Então aí está a receita dela. Quem quiser que invente outra.

(Ah, não deixe ver a receita de farofa doce da minha mãe, no post anterior. E o próximo provavelmente vai ser a mousse de ameixa.)

Ingredientes

200 gramas de gorgonzola (mais um pouco para decorar)

1 lata de creme de leite

1 envelope de gelatina em pó

1 tablete de caldo de galinha
Modo de preparo

Ferva um copo de água fervente, desligue o fogo e dissolva a gelatina.

Bata 200 gramas do gorgonzola (reserve o restante), o creme de leite, a gelatina dissolvida e o tablete de caldo no liquidificador. 

Despeje em uma forma de gelatina ou mousse.

Deixe endurecer na geladeira para depois desenformar. 

Esfarele o restante do gorgonzola sobre a mousse para decorar.

Sirva com pão fresco ou torradas.