Categoria: Da minha família

Receitas dos cadernos da minha mãe e da minha avó materna.

Biscoito de gengibre – a receita que meu filho mais gosta de fazer

Desenho de biscoito de gengibre

Quando a professora perguntou o que ele gostaria de saber fazer, meu filho respondeu: pilotar avião. Quando perguntou o que ele já sabia fazer, veio o desenho acima: biscoito de gengibre. Com formato de dinossauro.

Já publiquei a receita aqui, mas resolvi repetir. Porque fiquei tocada por meu filho ter escolhido, entre tantas habilidades que já tem, uma atividade tão nossa. Nos desenhos expostos na parede da escola, o resultado do ato de quebrar um ovo, misturar ingredientes, vê-los se transformar em algo diferente e delicioso. E nossas bagunças na cozinha equiparadas a seu futuro como piloto de avião –  uma carreira que, já fui informada por ele, é apenas uma preparação para a missão posterior, no comando de um foguete. “Lá no espaço vou sentir saudade de você, mamãe”.

Às vezes dá preguiça de pensar na farinha, na massa, no chocolate ou no ovo que, já sei, vai transbordar da bancada de trabalho, mas o prazer de cozinhar com ele sempre compensa (exceto, talvez, no dia em que uma torta inteira se espatifou no chão).  E esta é uma receita perfeita para fazer com crianças: simples, gostosa, com a atração extra de poder ser moldada em formatos diversos, dependendo do cortador de biscoito. Embora homenzinho, lua e estrela façam sucesso por aqui, nosso favorito é o de dinossauro. Depois me conte qual é o seu.

Biscoitos de gengibre

Ingredientes
110 gramas (1/2 xícara) de manteiga sem sal, mais um pouco para untar
350 gramas de farinha de trigo, mais um pouco para polvilhar
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de gengibre em pó
150 gramas (1 xícara) de açúcar mascavo
2 colheres de sopa de mel
1 ovo batido
Decoração (opcional)
1 clara de ovo
250 gramas de açúcar de confeiteiro
Gotas de limão
Corantes comestíveis naturais de clorofila e urucum

Modo de preparo
Misture a manteiga, a farinha, o bicarbonato e o gengibre até fazer uma farofa.

Adicione o açúcar, o mel e o ovo e misture mais. Se a massa ficar grudenta demais para moldar, acrescente mais farinha.

Em uma superfície enfarinhada, estenda a massa com um rolo até deixá-la com uns dois milímetros de espessura. Use cortadores para dar formato aos biscoitos.

Coloque os biscoitos em assadeiras untadas, deixando espaço entre eles. Leve ao forno a 180ºC por cerca de 10 minutos, até ficarem dourados.

Para decorar, faça um glacê: bata a clara com um pouco do açúcar, em seguida junte o resto do açúcar e o limão e bata  mais até ficar firme. Separe em duas porções e pingue os corantes comestíveis. Aplique com bisnaga ou saco de confeitar.

 

Para cozinhar mais:

Será este bolinho de polvilho e coalhada o segredo da longevidade?

Bolinho de polvilho e coalhada (foto: O Caderno de Receitas)

Tia Myrian Fonseca Bittencourt, 95 anos e autonomia de 20 e poucos, escreveu a receita do bolinho em um quadrado de papel de nove centímetros, arrancado de um bloco. Do outro lado da folha, aproveitou para me dar as instruções para um pão de queijo assado em forminhas. Há alguns anos, perdeu o caderno em que tinha seus pratos anotados, mas guarda tudo na memória. Assim como guarda os detalhes do método com que costumava alfabetizar alunos, na época em que trabalhava como professora no interior de Santa Catarina. Hoje mora sozinha em Florianópolis, quando não está em Lages visitando parentes.

Na fazenda da família em Lages, bateladas de bolinho eram assadas duas vezes ao dia, de manhã e à tarde. Levavam a coalhada escorrida feita com o leite das vacas da propriedade. Minha mãe, que tantas férias escolares passou ali, lembra da consistência dessa coalhada, de placas grandes, retirada às conchadas de uma bacia e tomada feito sopa, com canela e açúcar mascavo.

Na lembrança da minha mãe, a coalhada da infância não pode, obviamente, ser substituída por nenhuma outra — talvez nem pela coalhada da fazenda, se tomada hoje. Mas tia Myrian, prática, me aconselhou a escorrer qualquer coalhada ou usar ricota. Se a ricota for muito seca ou sem graça, pode ser misturada a leite ou iogurte. Eu fui além no improviso: misturei, meio a meio, ricota e coalhada árabe — desta vez comprei no mercado,  mas também já fiz em casa (confira aqui uma receita de coalhada). Buscava a acidez, ausente na ricota, da coalhada usada nos bolinhos da fazenda.

Funcionou muito bem.  Pelo menos para os paladares dos testadores aqui de casa, que nunca provaram a receita na fazenda.

Teste número 86: bolinho de polvilho e coalhada
Fonte – Anotação da tia Myrian.
Grau de dificuldade – Fácil.
Resultado – Uma delícia. Fica bem melhor na hora, com casquinha crocante. Mas, de tão bom, é grande a chance de não sobrar nada para murchar.

Ingredientes
100 gramas de coalhada árabe
100 gramas de ricota
250 gramas de polvilho azedo
1 ovo
½ colher (sopa) de manteiga
Sal

Modo de preparo
Misture todos os ingredientes até obter uma massa lisa e macia, gostosa de mexer.

Faça rolinhos e os molde no formato da letra “s”.

Disponha em uma assadeira untada, deixando espaço para os bolinhos crescerem.

Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC e asse até que comecem a dourar.

Bolinhos de polvilho e coalhada -  testados e aprovados (foto: O Caderno de Receitas)

Para cozinhar mais:

Salve o pavê. E abaixo o tio do pavê

Essa sobremesa clássica (aqui, na versão com abacaxi) é gostosa como almoço em família, mas menos complicada

Montagem de pavê de abacaxi - O Caderno de Receitas

Sou contra a piada do pavê. Você sabe, aquela, “é pavê ou pra comê?”. Desconfio que ela seja responsável pelo declínio dessa sobremesa, que já foi presença obrigatória em qualquer festa bem alimentada e aos poucos perdeu espaço nas celebrações. Comida de velho, fui obrigada a ouvir recentemente. Também, é raro, raríssimo, ver o doce apresentado à mesa sem que alguém solte o mesmo velho gracejo. E basta ouvi-lo para a saliva secar um pouquinho — por sorte, a tigela de cremes, frutas e açúcares está ali, ao alcance da colher, para amansar olhos virados de constrangimento.

Uma bobagem abandonar o pavê. Porque um bom pavê é como um bom almoço de família. Reconfortante, descontraído, doce sem medo de cair no enjoativo, gostoso sem pretensão. É caseiro, mas muitas vezes leva leite condensado, que é uma intromissão da indústria, mas ninguém mais lembra. Tem camadas que se misturam, viram outra coisa quando juntas. Cansa, às vezes. Em outras, é tudo que a gente quer — se servir direto da tigela, raspar o prato, repetir, falar bobagem em terreno conhecido (sem medo de virar o tio do pavê).

A grande diferença é que pavê é descomplicado – o que família raramente é. Mais um motivo para abraçar o doce.

Preparei a receita abaixo, de pavê de abacaxi, com minha mãe nas festas de fim de ano (e na correria, não fiz foto melhor; me desculpe). Minha mãe, por sua vez, aprendeu com uma tia, que também usa o creme de abacaxi para rechear bolos. Bolo que lembra festa, que lembra mutirão em família… Mas essa já é outra história. Quanto à do pavê, resolvi pesquisar. No livro Básico. Enciclopédia de Receitas do Brasil, de Ana Luiza Trajano, li que o doce virou moda décadas atrás e que o nome vem de pavage, pavimento em francês. Já no jornal Metrópole, descobri a existência de “paveterias” – não gosto da nova palavra, que parece colocar a sobremesa caseira na mesma onda das paleterias, comidarias, marmitarias e outras “coisarias” que têm pipocado por aí, mas aprecio a iniciativa. Fica, pavê. Viva a comida de vó!

Teste número 83: pavê de abacaxi
Fonte – Minha mãe, a partir de uma receita de uma tia-avó.
Grau de dificuldade – Fácil.
Resultado – Gostoso feito almoço de família – e a sobra do dia seguinte fica ainda melhor.

Ingredientes
1 abacaxi
6 colheres (sopa) de açúcar
1 lata de leite condensado
1 lata de leite (medida na lata do leite condensado)
4 ovos (com gemas e claras separadas)
1 lata de creme de leite
Biscoito tipo champanhe
Rum ou outra bebida (opcional)
Raspas de casca de 1 limão

Modo de fazer
Corte o abacaxi em cubinhos. Cozinhe com duas das colheres de açúcar até o abacaxi mudar de cor. Reserve.

Com o fogo desligado, misture em uma panela o leite condensado, o leite e as  gemas, colocadas uma a uma. Ligue o fogo baixo e siga mexendo até começar a engrossar, fazendo um creme homogêneo. Então desligue o fogo imediatamente. Leve à geladeira.

Com uma peneira ou um escorredor, separe a fruta e a calda. Reserve ambas.

Misture o creme de leite ao creme de gemas frio. Depois, junte ao creme os pedaços de abacaxi.

Faça o suspiro: bata as claras até firmarem e, ainda batendo, acrescente quatro colheres de açúcar.

Em uma tigela, disponha as camadas:

      • creme;
      • biscoito embebido na calda de abacaxi (ou na calda misturada a um pouco de rum);
      • creme;
      • biscoito embebido na calda de abacaxi (ou na calda misturada a um pouco de rum);
      • creme;
      • suspiro salpicado com raspas de limão.

Leve à geladeira para firmar.

Para cozinhar mais:

 

Pavê de morangos e creme de limão – as voltas que a gente dá

Pavê de morangos com creme de limão - O Caderno de Receitas

Aproveito o Dia dos Avós para publicar uma receita que passou dos cadernos da minha avó para o da minha mãe, avó do meu filho. Ao lado da receita, minha avó anotou: Curitiba, cidade onde viveu na juventude, e para onde voltou na velhice. Eu, de São Paulo, liguei para tirar dúvidas com minha mãe, atualmente em Vitória — não entendi bem a sugestão de decoração, com biscoitos enfileirados e pingos de chantilly, mas no fim achei que seria mais simpático enfeitar só com um par de morangos frescos. Nas minhas mãos, cópias dos cadernos, já que os originais ficam até setembro em uma exposição do Museu da Imigração, ao lado de outros objetos de minha avó materna, neta de espanhol.

Preparei a torta para o almoço de aniversário da filha do meu marido, que recentemente se mudou para Brasília mas veio a São Paulo comemorar a data com parentes e amigos. À mesa, antes da sobremesa, pratos coreanos, que ela adora porque adora, e não por herança familiar. Aliás, minha sogra, de origem italiana, há pouco aprendeu com a neta a gostar de comida coreana; também gostou do pavê de morangos da minha família (e acho que o resto da turma gostou igualmente, porque o doce sumiu em minutos).

Em Curitiba, São Paulo, Vitória, Brasília, Madrid, Milão ou Seul, há gostos e laços que nascem ou crescem com a gente, outros a gente cria ao longo da vida. Aos 22 anos ou aos 88. Como é bom poder celebrá-los em torno da mesa, com boa comida e em boa companhia.

Se você chegou até aqui, saiba que a receita de pavê de morango, detalhada abaixo, é bem mais simples e direta do que toda essa história.

Teste número 82: torta de morangos
Fonte – Cadernos de receitas da minha avó Viquinha e da minha mãe, Amanda.
Grau de dificuldade – Muito fácil.
Resultado – Morango e creme de limão formam uma dupla e tanto nesse pavê que estava anotado como torta nos cadernos de receitas da minha família.

Ingredientes
½ xícara de leite
½  xícara de vinho do porto ou moscatel
1 pacote de biscoitos champanhe
1 lata de leite condensado
3 limões
500 gramas de morangos

Modo de preparo
Misture o leite e o vinho para molhar os biscoitos.

Faça um creme batendo o leite condensado e o suco dos limões, até firmar.

Fatie os morangos (separe dois inteiros para a decoração).

Em uma travessa, disponha 4 camadas:

1ª – Biscoitos molhados na mistura de leite e vinho.

– Metade do creme de limão.

3ª – Morangos fatiados (foto).

Montagem de pavê de morangos - O Caderno de Receitas

4ª – O restante do creme de limão.

Enfeite com os morangos inteiros e leve à geladeira.

Mais: salve suas receitas de família na Loja O Caderno de Receitas.

Curau de milho verde

Curau de milho verde

Primeiro foi o forno. Quebrou, consertei, quebrou de novo, consertei, quebrou de novo, a assistência não tinha mais peça de reposição. Brigamos desde então.

Veio em seguida a geladeira. E a máquina de lavar roupa. Então a câmera do celular, instrumento de trabalho. Depois o computador, no meio de um texto. E o servidor do site. Tudo caindo, esfarelando, desmilinguindo. O complô das máquinas contra minhas finanças de empreendedora/frila/soubrasileiranãodesistonuncamasporquê?. Obsolescência programada (somada a minha tendência de derrubar celulares e notebooks) me forçando a aquecer a economia do país.

Aí recebo um SMS do cartão de crédito: compra não aprovada no valor de tralalá… Outro SMS, e outro. Enfim, meu cartão foi falsificado. E bloqueado.

Fazer o quê? Curau. Raspar espigas de milho, bater com leite e açúcar, (o liquidificador continua vivo), cozinhar, polvilhar canela. No dia seguinte, mandar na lancheira do filho. E partir para a rua Aurora, para tentar consertar o celular.

Enquanto mexem no celular, vagar com a sensação quase estrangeira de não estar conectada. Tomar um café, olhar em volta, encontrar um colega e conversar.

Pegar o celular, desembolsar dinheiros com pesar, almoçar, ouvir do filho: não gostei do curau.

Fazer o quê? Comer curau, e gostar, e comer mais uma colherada, e ter certeza de que está bom, enquanto na cabeça toca: “Meu refrigerador não funciona…”.  

Depois passar a receita aqui (em um computador emprestado).

Teste número 81: curau
Fonte – Caderno de receitas da minha avó Viquinha
Grau de dificuldade – Fácil, fácil.
Resultado – Exatamente o que eu estava precisando.

Ingredientes
3 espigas de milho verde
1 xícara de leite
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de leite de coco
2 colheres (sopa) cheias de açúcar (ou a gosto)
Canela a gosto

Modo de preparo
Com uma faca, raspe os grãos do milho.

Bata os grãos no liquidificador com o leite.

Passe a mistura por um peneira, espremendo bem para tirar o máximo de suco.

Em uma panela em fogo baixo, cozinhe o líquido com a manteiga, o leite de coco e o açúcar, mexendo sempre, até virar um mingau.

Despeje em um tabuleiro ou em vários copinhos. Polvilhe canela por cima.

Mantenha refrigerado.

Mais: salve suas receitas de família na Loja O Caderno de Receitas.
Caderno de receitas à venda na loja O Caderno de Receitas